top of page

A Condenação Católica do Herege Cismático Gregório Palamas


Este artigo é uma pequena coletânea do pensamento dos teólogos que me lembrei de mencionar sobre Gregório Palamas e o Palamismo. Não incluí teólogos católicos orientais como Kalekas e Kydones porque a sua oposição ao palamismo já é bem conhecida.


Esta é uma breve compilação e certamente não é nem um centésimo do que poderia ser listado. Acredito que as traduções sejam boas, mas não tenho a intenção de torná-las o mais precisas possível, apenas quero mostrar o que os escritores acharam. Por esta razão, também omito seus argumentos e apenas mostram suas conclusões. A maioria dos nomes que menciono aqui devem ser familiares para aqueles que têm um bom conhecimento da teologia católica, por isso a autoridade dos autores deve ser evidente. Mas de qualquer forma, adicionei uma breve descrição de quem são os autores.


Fiz questão de incluir autores das mais variadas escolas de pensamento e ordens religiosas.


Além disso, note que basicamente todos os teólogos – incluindo os escotistas – concluem dos escritos de Palamas que ele acreditava numa distinção real entre essência e energias.


Na minha opinião, eles estão corretos na sua interpretação, e a tese de que Palamas só acreditava na escotista distinção “formal” – como alguns acreditam – nada mais é do que uma tentativa fracassada de minimizar seus erros. Mas provar isto não é o meu objetivo aqui e, em qualquer caso, não isentaria Palamas da acusação de heresia, mesmo aos olhos dos escotistas, como mostrarei.


Cardeal Vicenzo Ludovico Gotti, O.P. (1664 – 1742)


Foi educado por jesuítas, tornou-se dominicano aos 16 anos. Estudou em Salamanca e lecionou em vários lugares, incluindo o Colégio Dominicano de Santo Tomás, em Roma, o futuro Angelicum. Em 1708, tornou-se Prior do mosteiro Dominicano em Bolonha. Em 1728, Bento XIII o nomeou cardeal e foi nomeado Patriarca Latino de Jerusalém. Quase foi eleito papa no conclave de 1740. O Papa Bento XIV chamou-o de santo. Ele foi citado como uma autoridade e como um dos maiores tomistas de sua época pelo Papa Bento XIV, Santo Afonso e Pe. Garrigou-Lagrange.


Ele diz em sua Teologia Scholastico-Dogmatica Juxta Mentem Divi Thomae Aquinatis, In Primam Partem, Quaest. III De Divinis Attributis, Dubium 1:


“O grego Gregório Palamas (de quem a seita palamita recebe seu nome) foi primeiro um monge e depois um bispo cismático de Tessalônica em meados do século XIV.”


Depois disso, Gotti descreve a doutrina palamita e diz:


“Contra eles, eu digo: a sentença de Palamas de uma distinção real entre a essência divina e suas operações é um erro tolo [stolidus] e ímpio…


E o erro ímpio dele, que torna as operações de Deus não apenas distintas Dele, mas também incriadas, consequentemente cria mais Divindades e mais Deuses; porque essas Deidades são substâncias subsistentes, e portanto há muitos Deuses, ou são acidentes, postulando portanto acidentes em Deus, o que não pode ser admitido, como mostramos acima… Dizem também que esta pluralidade de objetos incriados e de divindades pode existir em formas superiores e inferiores. Mas quem não vê que tudo isso desmorona no paganismo…?”


Numa pergunta posterior, ao falar da possibilidade da visão beatífica, opõe a “visão da seita palamita” à “visão católica”.


François Jacques-Hyacinthe Serry, O.P. (1659 – 1713)


Foi um teólogo dominicano. Viveu algum tempo em Roma como teólogo do Cardeal Altiere, devido à sua vasta erudição em filosofia, teologia e história. Em 1697 obteve o grau de doutor e foi convidado para ser professor de Teologia na Universidade de Pádua. Ele diz em uma de suas obras:


“…Gregório Palamas, arcebispo de Tessalônica, cujo erro toda a Igreja cismática grega adotou no sínodo de Constantinopla, chamado por alguns de nono ecumênico. Eles anatematizaram Barlaão e Akyndous… Não se pode dizer que este erro seja diferente da Heresia de Gilbert de La Porrée…” (Quaest. Theol., Prima Pars)


Ele então explica que os Palamitas postulam uma distinção real entre essência e energias, e conclui:


“É da Fé Católica, segundo a explicação definitiva do Concílio de Reims, que nem entre as relações e a essência, nem entre uma e outra propriedade absoluta, nem entre elas e a essência, há uma distinção real simpliciter.” (ibid.)


Charles René Billuart, O.P. (1685 –1757)


Notavelmente um dos maiores tomistas franceses. Foi educado por jesuítas e ingressou na Ordem Dominicana. Recebeu as honras de doutorado em 1729.


 Em sua Summa Summae S. Thomae, De Attrib. Divisão em Com., dissertação. II, art. II, ele coloca os Palamitas com hereges condenados e diz que a sentença contrária foi definida pela Igreja.:


“Primeiro, digo contra Gualterum, o Abade Joaquim, os Palamitas e Gilberto, que nem os atributos entre si, nem entre eles e a essência, nem as relações e a essência distingue-se entitariamente na realidade: porque a frase oposta está nos Concílios de Latrão e de Reims…”


Noel Alexandre, O.P. (1639 – 1725)


Foi historiador, dominicano e membro muito respeitado da escola tomista. Ele era conhecido em sua época por sua eloquência. Obteve seu doutorado na Sorbonne. Em sua famosa História Eclesiástica, ele chama os Palamitas de"loucos". Depois de descrever a origem da controvérsia, ele diz:


“O 'campeão' de sua infame doutrina foi o mais obstinado Gregório Palamas… Este Palamas afirma que as operações de Deus são realmente distintas de Sua essência, inferior a ele e protegido por ele à maneira de uma causa...... Ele chama essas operações de nada menos que divindades. Assim, com muita razão, Demetrius Cydones, in lib. adv. Palamam, e Manuel Calecas, lib. de essentia et operatione, objetam que ele admite muitos deuses.” (Hist. Eccl., Tomus 15, Cap. 3, Art. 14)


Garrigou-Lagrange, O.P. (1877 – 1964)


Provavelmente o tomista mais renomado do século XX. Ele é uma autoridade bem conhecida e um dos inimigos mais proeminentes do modernismo. Lecionou no Angelicum de 1909 a 1964. Seguindo a tradição dominicana, escreveu um comentários muito conhecidos e profundos sobre a Summa. No seu comentário à Primeira Parte, De Deo Uno, q. 12, a. 1, que trata se um intelecto criado pode ver a essência de Deus, ele dedica uma pequena seção aos erros condenados e coloca ali os palamitas:


“Aqueles que negam a possibilidade da visão intuitiva de Deus utilizam os argumentos expostos por Santo Tomás no início deste artigo... Sob Inocêncio III, Almaricus cometeu o mesmo erro. Mas os palamitas do século XIV, que negaram a possibilidade da visão beatífica, argumentaram que a natureza divina não pode nem mesmo ser vista sobrenaturalmente pelo intelecto criado… Os gregos (cismáticos), em quatro pseudo-sínodos, aceitaram esta doutrina.” (De Deo Uno, Ia, q. 12, a. 1)


Cardeal Dionísio Petávio, S. J. (1583 – 1652)


Um dos teólogos mais influentes e eruditos do século XVII. Ele era um especialista em línguas bíblicas e tinha uma familiaridade impressionante com todos os Padres, principalmente os gregos, cujas obras ajudou a editar e traduzir para o latim. Ele ensinou retórica, história eclesiástica e teologia em muitas universidades e em 1639 tornou-se cardeal por nomeação de Urbano VIII. Aos 60 anos parou de lecionar, mas continuou a ser bibliotecário e dedicou o resto da vida a escrever seu Opus de Theologicis Dogmatibus. “As virtudes de Pétau [Petavius] não eram inferiores ao seu talento; ele era um modelo de humildade e regularidade e, apesar de sua saúde debilitada, praticava mortificações contínuas e severas.” (J. Ghellinck, Enciclopédia Católica)


Em seu Opus de Theologicis Dogmatibus, De Deo Deique Propriet., lib. 1, cap. XII, ele repetidamente chama a posição de Palamas de “a heresia de Palamas”. No capítulo seguinte, ele diz que a posição de Palamas é “heresia no nosso entendimento [ou seja, no entendimento católico]”, e depois de argumentar contra ele, conclui:


“Pelo que foi dito, é evidente como os palamitas, esses hereges modernos, estão errados, e quão fortemente diferem de Dionísio e de outros Padres.”


Neste mesmo capítulo, ele também refuta Palamas provando que sua doutrina leva ao politeísmo. Depois de defender isso, ele conclui:


“…assim, uma vez que existem várias energias distintas umas das outras na realidade e realmente distintas da essência, Palamas postula a existência de vários deuses.”


Cardeal Franzelin S.J. (1816 – 1886)


Um dos teólogos mais notáveis ​​do século XIX. Foi professor de dogma em vários lugares e também poliglota, o que o levou a lecionar hebraico, árabe, siríaco e caldeu. Ele também foi consultor de muitas congregações romanas e serviu como teólogo papal durante o Concílio Vaticano I. Ele foi um dos teólogos mais influentes do concílio. O Papa Pio IX, em 1876, nomeou-o cardeal. A Enciclopédia Católica diz que “como teólogo, Franzelin ocupa o posto mais alto”.


Em seu Tractus de Deo Uno Secundum Natura, Seção II, Cap. I, Th. XII, ele diz:


“Frequentemente, os Padres distinguem entre a cognição de ‘se Deus é’ e ‘o que Deus é’…”


Franzelin passa então a citar alguns Padres que fazem esta distinção. Ele continua:


“Mas isto não deve ser entendido em sentido absoluto; porque se ignorássemos 'o que Deus é' [isto é, sua essência] em um sentido absoluto, não seríamos capazes de saber 'se Deus é', e assim cairíamos no erro gnóstico do Deus supremamente ignorado… contra os quais Irineu e Tertuliano lutaram. Por esta razão, os Padres, nas suas disputas contra os Eunomianos, frequentemente uniam a cognição da existência de Deus com a cognição das perfeições e atributos de Deus, na medida em que se torna conhecido a partir das operações e manifestações divinas…; mas excluem o conhecimento da essência em si (essentia ut in se est), afirmado por Eunômio…”


Franzelin passa então a explicar os possíveis conhecimentos da essência de Deus (nesta e na próxima vida) de acordo com os escolásticos. Franzelin deixa a nota de rodapé do texto citado acima:


“Esta doutrina mais verdadeira dos Padres foi mal utilizada no século XIV por Palamas e seus discípulos, propagando a defesa de um erro absurdo entre os gregos, de que as operações eternas (energias) em Deus são realmente distintas da essência de Deus, e estas as energias podem ser vistas, enquanto a essência permanece inacessível. Para isso, veja De Deo Uno de Petavius.”


Franzelin recomenda, como em muitos outros casos, que o leitor leia os escritos de Petavius, que são muito radicais nas acusações contra Palamas, como vimos.


Joanne Rupp, S. J.


Outro autor escolástico jesuíta. Ele viveu no século XVIII. Ele era um médico e professor altamente respeitado, que escreveu um livro chamado Praelectiones Theologicae para uso comum. Entre as sentenças condenadas a respeito da relação entre a essência de Deus e seus atributos, ele coloca a crença palamita. Segundo seu pensamento, o Palamismo foi condenado com a condenação do Abade Joachim e Gilbert de la Porre:


“Além disso, uma verdadeira distinção entre eles é admitida pelo Abade Joaquim, cujo livro foi condenado no Quarto Concílio de Latrão, sob Inocêncio III… Da mesma forma, isto foi defendido por Gilbert de la Porré, cuja sentença foi condenada no Concílio de Reims, sob Eugênio III… Gregório Palamas,…arcebispo de Tessalônica, ensinou que tanto as operações de Deus ad intra quanto ad extra são realmente distintas da essência de Deus, que, no entanto, ele afirma não ter sido criada… Além disso, ele diz que a substância ou a natureza de Deus não é operativa per se, mas por suas energias… Disto segue-se uma distinção real entre essência e atributos.” (Praelectiones Theologicae, De Deo, Pars I, cap. II, art. II)


Joseph Pohle, S.J. (1852 – 1922)


Ele é um jesuíta muito conhecido que escreveu manuais com a intenção de serem usados ​​em seminários. Ele obteve seu doutorado em 1874, lecionou em vários lugares e foi escritor da Enciclopédia Católica. Em seu livro “Deus: Sua Cognoscibilidade, Essência e

Atributos”, ele situa o Palamismo com a heresia condenada de Gilberto e diz o seguinte:


“Dois séculos mais tarde surgiu entre os gregos cismáticos a heresia dos palamitas – assim chamada pelo seu autor, Gregório Palamas. Esta heresia em dois sínodos de Constantinopla (1341 e 1347) não se envergonhou de proclamar como um dogma cismático. A quintessência do erro palamita pode ser declarada da seguinte forma: Entre a essência e a atividade de Deus há uma distinção real, na medida em que esta última irradia da primeira como algo inferior, embora ainda, em certo sentido, divino.


Exceto entre as Hipóstases Divinas, nenhuma distinção real pode ser admitida na Divindade, porque se houvesse nela qualquer tipo de distinção real, a Essência Divina consistiria em partes distintas, o que é repugnante. São Bernardo de Claraval atribui justamente esta visão errônea ao Politeísmo:


“Multa dicuntur esse in Deo et quidem sane catholiceque, sed multa unum; alioquin si diversa putemus, non quaternitatem habemus, sed centeneitatem: habebimus multiplicem Deum.”


Ludwig Ott (1906 – 1985)


Foi teólogo, médico, professor e autor dos conhecidos “Fundamentos do Dogma Católico”, onde afirma que a identidade entre os atributos e a essência divina é de fide e coloca Palamas entre os hereges, cuja doutrina já era condenado pela Igreja.


“A razão está na absoluta simplicidade de Deus. A aceitação de uma distinção real (distinctio realis) levaria à aceitação de uma composição em Deus e, com isso, à dissolução da Divindade. No ano de 1148, um Sínodo em Reims, na presença do Papa Eugênio III, condenou, a exemplo de São Bernardo de Claraval, a doutrina de Gilberto de Poitiers, que, segundo a acusação dos seus adversários, assumiu uma verdadeira distinção entre Deus e Divindade (Deus - Divinitas), entre as Pessoas Divinas e Suas propriedades (Pater - paternitas), e, segundo relatos de seus oponentes, também, entre a Essência Divina e os atributos Divinos. Esta acusação dificilmente pode ser demonstrada nos escritos de Gilbert. Contra esta doutrina, o Sínodo afirmou a identidade factual de Deus com a Divindade, isto é, com a Natureza Divina e as Pessoas, bem como de Deus e Seus atributos: Credimus et confitemur simplicem naturam divinitatis esse Deum nec aliquo sensu catholico posse negari, qui divinitas sit Deus et Deus divinitas… credimus, nonnisi ea sapientia, quae est ipse Deus, sapientem esse, nonnisi ea magnitudine, quae est ipse Deus, magnum esse est.


D 389. O Conselho da União de Florença explicou no Decretum pro Jacobitis (1441 ): '(em Deus) tudo é um, onde não existe oposição da relação.'


D 703. Na Igreja Grega, a seita mística-quietística dos Hesicastas ou Palamitas do século XIV (assim chamada em homenagem ao monge Gregório Palamas (†1359)) ensinou a distinção real entre a Essência Divina e a Eficácia Divina ou os atributos Divinos. Enquanto o primeiro foi considerado incognoscível, o último foi considerado concedido à humanidade em uma condição de oração contemplativa através de uma luz Divina incriada (“Luz Tabor”). Com isso eles distinguiram um lado superior e um inferior, um lado invisível e um lado visível da Divindade.”


Juan de Consuegra, O.F.M.


Ele foi um notável franciscano do século XVIII. A reação dos escotistas também foi agressiva contra Palamas. Em seu Cursus Dogmatico Historico, ao discutir a eternidade de Deus, ele diz que “os monges palamitas fizeram uma insurreição contra a eternidade de Deus”. Na sua opinião, os palamitas eram claramente hereges. Ele então argumenta com as Escrituras e o testemunho dos Padres contra eles.


Josepho Thuring, O.F.M.


Ele é outro conhecido escotista do século XVIII. Em sua Dissertatio Scoto-Theologica Dogmatico-Scholastica, sobre os Atributos Divinos, art. 1, §3, elenca, entre os erros, o de “Palamas e os Palamitas”. Ele parece estar extraindo a maior parte da informação e da linguagem de Gotti e Noel:


“O grego Gregório Palamas (de quem deriva o nome da seita palamita), foi primeiro um monge, depois o cismático Arcebispo de Tessalônica em meados do século XIV… Ele afirmou que as energias, ou operações, de Deus são realmente distintas das Sua essência, inferior a ela e protegida por ela à maneira de uma causa... Ele chama essas operações nada menos que 'divindade'...


Eu digo: a sentença de Palamas sobre uma distinção real entre a essência de Deus e Suas operações é um erro tolo e ímpio. Isso é tolo… porque o que transmite mais “divindade” do que a substância de Deus? […]


É também ímpio porque as operações de Deus, distintas de Deus, fazem muitos seres incriados, muitas divindades e muitos deuses: estas divindades são substâncias subsistentes e, conseqüentemente, deuses múltiplos, ou são acidentes e, portanto, colocam acidentes em Deus, o que Deus não admite, porque pela sua dependência do sujeito, eles não podem ser incriados.”


Apêndice:


No que o Pe. Galadza caracteriza como uma defesa de Barlaão da Calábria (1290-1348), escreveu Sheptytsky (The Theology and Liturgical Work of Andrei Sheptytsky, p. 181):


[Barlaam] mostrou que Palamas aceitou uma diferença substancial entre a natureza de Deus, ou essência, e os atributos de Deus. [Palamas] da mesma forma apresentou a graça divina nas almas humanas como um atributo divino não criado e infinito, concedido às almas ... Um autor [Palamas] cujas obras continham heresias reais contra a unidade da natureza de Deus e contra a graça de Deus, tornou-se um “santo”, reconhecido não apenas pela Igreja Bizantina, mas por todos os outros três Patriarcados Orientais. Este fato ... indubitavelmente testemunha o grande declínio do conhecimento teológico na Igreja bizantina e, em geral, oriental, perto do final do século XIV.”


Em 1868, o jesuíta Martinof (Annus ecclesiasticus Greco-Slavicus, Bruxelas 1868) fala firmemente contra Palamas.


Acácio (De consensu II, cap. XII) diz de Palamas:


“pessoa sem valor não apenas privada do sacerdócio e para sempre excluída de sua dignidade, mas também que merece ser punida pelo fogo e pela espada ..., um malfeitor caído em desonra”.


Finalmente, deve-se notar que muitos manuais de Teologia Dogmática o acusam de heresia, sem tirar que o Sínodo de Zamość em 1720 (que resultou da União de Brest em 1595, onde a Igreja Ortodoxa nas terras rutenas da Comunidade Polaco-Lituana, a Metrópole de Kiev, Galícia e toda a Rússia, com sede em Vilnius, de cortar relações com o Patriarcado de Constantinopla e se colocar sob a jurisdição do Papa de Roma, mantendo as práticas litúrgicas ortodoxas, levando a formação da Igreja rutena uniata, que atualmente existe como Igreja Greco-Católica Ucraniana e Igreja Greco-Católica Bielorrussa) proibiu a comemoração de Gregório Palamas em qualquer ofício litúrgico.


As Actas do Sínodo de Zamosc


O “teólogo” Yves Congar, famoso por suas posições heterodoxas, relata o seguinte em um de seus livros:


“Assim, as exclusões realizadas até agora pela Igreja Católica dizem respeito, ao que parece, aos personagens historicamente duvidosos ou aos santos ortodoxos pelos quais existem sérias razões para acreditar que eles pessoalmente recusaram a comunhão com Roma. É por essa razão também que Grégoire Palamas é excluído do calendário, como vimos acima com o Sínodo de Zamosc. Marcos de Éfeso e Fócio, o Grande, são igualmente excluídos do calendário católico grego”  (Yves Congar, A Propos des Saints Canonises dans les Églises Orthodoxes, 1948)


Yves Congar diz que os rutenos (ucranianos, lituanos, polacos, russos e eslavos católicos em geral) excluíram Palamas do seu calendário no Sínodo de Zamosc no século XVI  e a 1ª Edição Vaticana da Liturgia Russa em 1940 confirmava essa exclusão. O livro é de 1948 ainda sob o Papado de Pio XII.


Pio XII confirma o Sínodo de Zamosc


Na sua encíclica “Orientales omnes Ecclesias” o Papa Pio XII ensinava:


“Em 1720, o metropolitano e o restante dos bispos da Igreja da Rutênia se reuniram em um Sínodo  em Zamosc para prover o melhor de suas habilidades através do consolo comum para as crescentes necessidades dos fiéis; da decretação deste Sínodo – confirmada por nosso antecessor Bento XIII na constituição apostólica Apostolatus officium de 19 de julho de 1724 – não poucos benefício resultou para a comunidade rutena” (Papa Pio XII, Orientales Omnes Ecclesias (#18), dec 23, 1945)


Pio XII não só reafirma o que foi dito em Zamosc, como também diz que Bento XIII seu predecessor, também o havia confirmado. Temos, portanto, dois Papas aprovando o Sínodo e o que nele estava contido.

Komentar


bottom of page