top of page

A Objeção Semi-Tradicionalista de que “S. Paulo resistiu a São Pedro na sua cara”

O caso de Gálatas 2:11-14…


Repetidamente ouvimos daqueles que chamamos de Semi-Tradicionalistas o argumento de que um Papa pode desviar os fiéis em erros contra a Fé através do exercício do seu Magistério não infalível; e quando isso acontece, é então direito e dever da vítima fiel resistir-lhe , apegando-se à “Tradição”.

Aqueles que defendem esta posição muitas vezes apontam para um incidente ocorrido entre São Paulo e São Pedro, registrado em Gálatas 2:11-14, como um suposto precedente histórico para um Papa que ensinava erros sendo corrigido e resistido por seus inferiores. Recentemente vimos isto, por exemplo, num post escrito por Christopher Ferrara para The Remnant e num discurso proferido por Roberto de Mattei no Rome Life Forum em Maio.

A perícope em questão diz assim:

Mas quando Cefas chegou a Antioquia, resisti-lhe na cara, porque ele era o culpado. Porque antes que alguns da parte de Tiago chegassem, ele comia com os gentios; mas quando eles chegaram, retirou-se e separou-se, temendo os que eram da circuncisão. E os demais judeus consentiram na sua dissimulação, de modo que Barnabé também foi levado por eles a essa dissimulação. Mas quando vi que eles não andavam retamente para com a verdade do evangelho, disse a Cefas diante de todos eles: Se tu, sendo judeu, vives à maneira dos gentios, e não como os judeus, como obrigas os gentios viverem como os judeus? (Gálatas 2:11-14)

O nome Cefas é siríaco e significa "rocha", sendo assim equivalente ao grego Petros, ao latim Petrus , em inglês Peter . O próprio Senhor chamou Simão por este nome quando o conheceu: “E Jesus, olhando para ele, disse: Tu és Simão, filho de Jonas; serás chamado Cefas, que se traduz como Pedro” (Jo 1:42). Embora existam alguns que tenham contestado isso, é geralmente aceito que o Cefas mencionado em Gálatas 2 é de fato São Pedro (ver Comentário de Haydock sobre Gálatas 2:11).


Sempre que quisermos compreender o que uma determinada passagem bíblica significa ou não, precisamos recorrer à Santa Madre Igreja. Fazemos isso de maneira mais fácil e frutífera consultando comentários sobre as Sagradas Escrituras aprovados pela Igreja. Às vezes, comentários explicativos são incluídos como notas de rodapé no próprio texto sagrado, como é o caso da revisão Challoner da Bíblia de Douay-Rheims e da popular e extensa Bíblia de Haydock . Para quem procura um comentário extenso e aprofundado, a melhor escolha é provavelmente a do Pe. Cornelius a Lapide, S.J., Publicado em numerosos volumes, alguns deles disponíveis apenas em latim, mas alguns existem em inglês .


Então, o que está acontecendo em Gálatas 2:11-14?

São Paulo relata que repreendeu São Pedro por escandalizar os gentios convertidos, dando-lhes a impressão, através de seu comportamento, de que era necessário que eles observassem a Lei de Moisés (“judaizar”). Ele fez isso comendo com os gentios convertidos em Antioquia até que alguns judeus convertidos chegaram de Jerusalém, momento em que ele se separou dos gentios e comeu exclusivamente com os judeus convertidos. Esses convertidos do Judaísmo ainda guardavam as leis dietéticas de Moisés, o que, na época, lhes era permitido fazer:

Podemos distinguir quatro períodos na história da lei cerimonial mosaica: (a) de Moisés até Cristo, era a maneira divinamente ordenada de adorar a Deus e era obrigatória para o Povo Escolhido; (b) na morte de Cristo, quando o Novo Testamento começou, o cerimonial mosaico deixou de ser obrigatório; (c) até que o Evangelho fosse suficientemente promulgado (isto é, até a destruição da Cidade e do Templo de Jerusalém), a lei cerimonial era permitida aos convertidos judeus, não como prefiguração de Cristo, mas como uma forma de adoração divina ; (d) depois que o Evangelho foi suficientemente proclamado, não era mais lícito conformar-se às observâncias mosaicas. (Rev. John A. McHugh e Rev. Charles J. Callan, Moral Theology , vol. 1 [Nova York, NY: Joseph F. Wagner, 1958], n. 342; sublinhado adicionado.)

São Tomás de Aquino explica que “... era lícito aos judeus convertidos ao cristianismo observar [as cerimônias legais], desde que não depositassem nelas a sua confiança, de modo a considerá-las necessárias para a salvação, como se a fé em Cristo não poderia justificar sem as observâncias legais. Por outro lado, não havia razão para que aqueles que foram convertidos do paganismo ao cristianismo os observassem” ( Summa Theologica , I-II, q. 103, a. 4, ad 1 ; ver também Papa Pio XII, Encíclica Mystici Corporis , nº 29).


A conduta de São Pedro poderia, assim, levar as pessoas a acreditar que era necessário ainda observar a Lei de Moisés, causando assim um obstáculo à Fé, pois na Nova Aliança não há “nem judeu nem grego: não há vínculo nem liberdade: não existe homem nem mulher. Porque todos vós sois um em Cristo Jesus” (Gl 3,28). Portanto, não há espaço para separar judeus de gentios, nem para observar a Lei Antiga: “Mas sabendo que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo; também cremos em Cristo Jesus, para que sejamos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei: porque pelas obras da lei nenhum homem será justificado” (Gl 2:16; cf. Atos 10:28).


Os Semi-Tradicionalistas de hoje, tentando encontrar um precedente histórico para a sua resistência a Francisco, embora reconhecendo-o como um verdadeiro Papa, exageraram a culpa de São Pedro e também a resposta de São Paulo. Foi simplesmente uma questão de conduta pessoal imprópria por parte do primeiro Papa, e esta conduta foi corrigida fraternalmente por outro Apóstolo. O chefe visível da Igreja pecou em público, e outro católico o repreendeu publicamente por isso, reparando assim o escândalo causado. Este episódio não teve nada a ver com São Pedro professando heresia ou ensinando erros em seu Magistério, nem com São Paulo recusando a submissão ao Papa.


Mas não há necessidade de acreditar apenas na nossa palavra – todos podem simplesmente procurar isto nas fontes apropriadas aprovadas pela Igreja.

Por exemplo, o estudioso das Escrituras Pe. Bernard Orchard, OSB, escreve: “Paulo censurou Pedro não por um erro doutrinário, mas por não se manter firme no princípio que ele reconhece” ( A Catholic Commentary on Holy Scripture [Londres: Thomas Nelson and Sons, 1953], n. 895h ). Em outras palavras, as ações de São Pedro não estavam em conformidade com seus ensinamentos e crenças, algo de que todos nós somos culpados até certo ponto (ver Jo 8:7; 1 Jo 1:8).


O Bispo Richard Challoner, seguindo Santo Agostinho, identifica o pecado de São Pedro como nada mais do que “uma certa imprudência”:

A falha aqui notada na conduta de São Pedro foi apenas uma certa imprudência, ao retirar-se da mesa dos gentios, por medo de ofender os judeus convertidos; mas isto, em tais circunstâncias, quando o seu ato poderia ter consequências negativas para os gentios, que poderiam ser induzidos a se considerarem obrigados a se conformar ao modo de vida judaico, em prejuízo de sua liberdade cristã. ( Nota de Challoner sobre Gálatas 2:11 )

Citando o estudioso bíblico Pe. Robert Witham, Pe. George Haydock também observa que “a opinião de Santo Agostinho é comumente seguida, de que São Pedro era culpado [meramente] de uma falta venial de imprudência” e acrescenta que “[o cardeal César] Baronius sustentou que São Pedro não cometeu pecado, o que pode ser verdade, se olharmos apenas para sua intenção, que era não ofender os judeus convertidos; mas se examinarmos o fato, ele dificilmente pode ser desculpado de uma indiscrição venial ” ( Nota sobre Gálatas 2:11 ; itálico dado).


O comentário do Pe. Cornelius a Lapide fornece uma visão mais profunda:

Pode-se afirmar que neste ato de Pedro houve pelo menos algo pecaminoso, se não realmente errôneo na fé, como alguns têm afirmado precipitadamente. Por sua ação, pode-se pensar que ele fez uma profissão impensada do judaísmo, e assim colocou uma pedra de tropeço no caminho dos gentios, e os tentou a judaizar com ele. Ele já havia vivido com os gentios, mas depois retirou-se deles repentinamente, passou para o lado dos judeus e viveu com eles. Disto os gentios poderiam inferir corretamente que o judaísmo era necessário para a salvação, tanto para ele como para eles próprios, e era obrigatório para os cristãos; pois embora a Antiga Lei, com suas cerimônias, ainda não fosse a causa da morte, e pudesse ser preservada para garantir para si um sepultamento honroso, e também para atrair os judeus à fé em Cristo, ainda assim ela estava morta, e em certo sentido, morte, viz., para qualquer um que deveria mantê-lo na suposição de que era obrigatório para os cristãos. Embora Pedro, porém, não considerasse isso assim, sua ação foi tão imprudente que deu aos gentios boas razões para pensar que ele o fez. …Este pecado de Pedro foi venial, ou apenas material, decorrente da falta de pensamento, ou da falta de luz e prudência. Ele parece ter pensado que, sendo especialmente o apóstolo dos judeus, deveria antes evitar escandalizá-los do que os gentios, e que os gentios reconheceriam prontamente a legitimidade desta linha de ação. Ao fazê-lo, ele errou, pois “embora”, como diz S. Tomás, “o Espírito Santo que desceu sobre os Apóstolos no Pentecostes os tenha estabelecido a partir de então com tal prudência e graça que os guardou dos pecados mortais, ainda assim ele não os salvou também de livrá-los dos pecados veniais”. …Pedro, no ato em discussão, tinha em parte uma causa justa, a saber, o medo de ofender os judeus. Sua retirada dos gentios não foi uma declaração formal de que ele era um judaizante, mas apenas equivalia a dizer que preferia servir os judeus em vez dos gentios, sendo a justa causa dessa preferência que ele era mais um apóstolo dos primeiros do que deste último. Digo em parte, porque ele não estava totalmente justificado em agir assim, visto que era obrigado, como pastor universal, a cuidar dos judeus sem negligenciar os gentios. Daí resulta também que em um aspecto ele pecou por falta da devida consideração. A enfermidade da mente do homem, contudo, é tal que ele nem sempre consegue atingir o meio exato e, em circunstâncias complexas, beneficiar um sem prejudicar outro. (WF Cobb, ed., O Grande Comentário de Cornelius a Lapide: II Coríntios e Gálatas [Edimburgo: John Grant, 1908], pp. 245-247)

Deveria ser evidente que simplesmente não há comparação entre a repreensão de São Paulo ao comportamento hipócrita da parte de São Pedro com a apostasia em grande escala de Francisco e o seu implacável enfraquecimento do catolicismo.

Tendo exposto o ensinamento católico sobre a primazia papal, o teólogo dogmático jesuíta Pe. Joachim Salaverri responde a duas objeções de Gálatas 2 da seguinte forma:

[Objeção:] De Gálatas 2:11. São Paulo na presença dos gentios repreendeu São Pedro. Portanto ele supõe que sua autoridade não se estende aos gentios. [Resposta:] Eu distingo o antecedente. Ele repreende corrigindo-o fraternalmente, cedo; autoritariamente, nego . [Objeção:] De Gálatas 2:14. São Paulo corrigiu São Pedro em seus ensinamentos. Mas a correção do ensino não pode deixar de ser autoritária. Portanto, São Paulo corrige São Pedro com autoridade como sujeito. [Resposta:] Eu distingo o antecedente. São Paulo corrige São Pedro por um erro de ensino, nego; ele corrige São Pedro por causa de seu modo de agir, porque era menos adequado à verdade do ensinamento, subdistinto: extrinsecamente ou por razão daqueles que poderiam ser induzidos ao erro doutrinário por causa desse modo de agir, cedo; intrinsecamente ou em razão do ensino da verdade, nego. A verdade do ensinamento, que deve ser sustentada por todos, é esta: que a observância da Lei Mosaica para os cristãos, além da Lei de Cristo, não é necessária para a salvação, mas eles são livres para observá-la se assim o desejarem. [naquela época, antes da destruição do Templo em 70 DC]. Portanto, observá-lo de facto não poderia ser considerado intrinsecamente proibido ou em razão da própria verdade do ensinamento; mas extrinsecamente ou por motivo de escândalo, nomeadamente, se os cristãos comuns da sua observância concluíssem das circunstâncias, embora falsamente, que ela é necessária, poderia ser proibida para evitar a queda dos mais pequenos, segundo o ensinamento do próprio S. Paulo sobre o consumo de carne oferecida aos deuses pagãos (1Co 8:4-13); e assim o próprio Paulo, quando tomou Timóteo como companheiro, circuncidou-o por causa dos judeus (Atos 16:3). Com razão, portanto, Tertuliano disse: “certamente isso foi uma falha em seu companheirismo, não em sua pregação”…. (Pe. Joachim Salaverri, Sacrae Theologiae Summa IB: On the Church of Christ , trad. por Pe. Kenneth Baker [latim original publicado por BAC, 1955; inglês publicado por Keep the Faith, 2015], nn. 283-284; itálico no original.)

Por fim, não podemos deixar de dar uma olhada no que diz sobre o assunto São Roberto Belarmino, o grande Doutor do Papado:

…[Quando] São Pedro obrigou os gentios a judaizar, isso não foi um erro de pregação, mas de conduta , como sugere Tertuliano em sua obra de Praescriptionibus adversus haereticos. São Pedro não ratificou por algum decreto que eles deveriam judaizar, ao contrário, ele ensinou formalmente o contrário em Atos XV. No entanto, quando ainda estava em Antioquia, ele se separou da mesa de jantar dos gentios, para não ofender os recém-convertidos dos judeus à fé e, pelo seu exemplo, obrigou-os a judaizar em certa medida, até mesmo Barnabé. Mas não negamos que os Papas possam oferecer a ocasião de errar através do seu próprio mau exemplo, pelo contrário, negamos que possam prescrever a toda a Igreja que siga algum erro ex cathedra . Além disso, os exemplos e doutrinas dos Pontífices não são igualmente perniciosos para a Igreja, visto que o Senhor os instruiu, dizendo: “Façam o que eles dizem, mas não façam o que eles fazem”. (São Roberto Belarmino, Sobre o Pontífice Romano , vol. 2 , trad. de Ryan Grant [Mediatrix Press, 2016], Livro IV, cap. 8, pp. 175-176; itálico dado; sublinhado adicionado.)

É evidente que São Pedro pecou pelo mau exemplo, pela imprudência, pelo comportamento hipócrita. Cometeu um erro grave do qual alguns poderiam deduzir um erro doutrinário, mas não ensinou nenhum erro, muito menos magistralmente na sua qualidade de Papa. São Paulo o repreendeu por seu comportamento escandaloso, e São Pedro aceitou humildemente a correção fraterna. Esse foi o fim de tudo.


Vemos, então, que não há absolutamente nada neste incidente que possa ajudar os Semi-Tradicionalistas na sua busca perpétua para encontrar justificação e precedente histórico para resistir (o que eles acreditam ser) ao Magistério papal, um Magistério (Novus Ordo) que ensina o erro, não apenas em relação a uma questão ainda em disputa, mas mesmo contra dogmas definidos. Verdade seja dita, estes pretensos tradicionalistas há muito que ultrapassaram a resistência aos ensinamentos individuais ou aos actos do Magistério Novus Ordo – na verdade, recusam toda a religião de Francisco. A Fraternidade Sacerdotal São Pio X chegou ao ponto de estabelecer toda uma igreja paralela, por assim dizer, embora atualmente esteja tentando arduamente ser aceita pelos modernistas do Vaticano.


Portanto, da próxima vez que alguém tentar lhe dizer que temos que reconhecer Francisco como Papa, mas resistir a ele como São Paulo resistiu a São Pedro, você poderá responder que este incidente não é de forma alguma um precedente histórico para tal ideia, como dizem os teólogos católicos . e comentários bíblicos aprovados apontaram repetidas vezes.


São Pedro foi culpado de uma “falta venial de imprudência” porque se envolveu em uma ação que, embora não fosse errada em si , dava a impressão de que os gentios tinham que observar a antiga lei judaica. Isto está muito longe das ações dos papas materiais do Vaticano II, que cometem constantemente crimes espirituais que são em si pecados contra a fé, como dizer que Martinho Lutero foi uma testemunha do Evangelho , que exigir que os ortodoxos orientais se tornassem católicos “não vale hoje” , que tentar converter os outros é um “grande pecado” , que os batizados não podem perder a sua condição de filhos de Deus , que os ateus vão para o Céu se forem “bons” , que os católicos que estão em pecado mortal não são cristãos , e assim por diante, ad nauseam .


Se os Semi-Trads levarem a sério a ideia de tomar o ensinamento divinamente inspirado de São Paulo como seu padrão para lidar com Francisco, eles encontrarão uma passagem totalmente aplicável apenas um capítulo antes, em Gálatas 1:8-9: “Mas embora nós, ou um anjo do céu, pregue-te um evangelho além daquele que já te pregamos, seja anátema. Como já dissemos, agora repito: se alguém vos pregar um evangelho além do que recebestes, seja anátema”.


O curso de ação correto em relação a Francisco não é resistir-lhe. É considerá-lo um falso papa.

Comentários


bottom of page