top of page

Comunicado do Instituto Mater Boni Consilii sobre o “Motu Proprio” Traditionis custodes




Como todos sabem, em 16 de julho de 2021 a “carta apostólica em forma de motu proprio” Traditionis custodes foi publicada acompanhada de uma carta do atual ocupante da Sé Apostólica aos seus Bispos (os “ guardiães da Tradição “ mencionados acima) com o que – com pressa inusitada, promulgando imediatamente o documento com a publicação única no L’Osservatore Romano – são revogadas as concessões feitas pelo seu antecessor com o “motu proprio” Summorum Pontificum cura de 7 de julho de 2007.


A respeito deste novo “motu proprio”, valem as reflexões e conclusões por nós expressas por ocasião do anterior, agora parcialmente revogado: https://www.sodalitium.biz/comunicato-riflessioni-sul-motu-summorum – pontificum-2 /

Os dois documentos estão em evidente oposição, e talvez não apenas nas escolhas pastorais (um revoga as concessões do outro), mas também por uma questão de princípio: isto é, saber se o Rito Romano teria duas formas litúrgicas (o ordinário e o extraordinário, para usar a expressão do documento de 2007) ou se sua única expressão for a do rito reformado (como afirma o atual documento, ecoando as declarações de Paulo VI no consistório de 24 de maio de 1976).


No entanto, eles têm um ponto comum fundamental: Tanto o mp Summorum Pontificum quanto o mp Traditionis custodes exigem que aqueles que usam o missal romano de 1962 (de João XXIII) reconheçam a legitimidade, validade e santidade da reforma litúrgica em aplicação do Concílio Vaticano II. Neste ponto os dois documentos diferem apenas nisto: o MP de 2007 assume a aceitação do Concílio e da Reforma Litúrgica por aqueles que farão uso das suas concessões, enquanto o MP de 2021 revoga essas concessões porque pretende apurar a não aceitação generalizada das opções acima.

Agora, uma de duas coisas: ou aqueles que fazem uso do missal romano (de 1962) reconhecem a autoridade dos ocupantes da Sé Apostólica a partir de 1965 e, conseqüentemente, a legitimidade, validade e santidade do missal reformado, e o magisterial valor dos documentos do Vaticano II, ou não.


No primeiro caso, não é claro por que eles têm dificuldade em celebrar com o rito reformado, ou em atendê-lo, em espírito de obediência àquele que consideram Vigário de Cristo e Sucessor de Pedro, que entre outras coisas expressou o voto de que todos acabem por adotar o missal de Paulo VI: um rito da Igreja, promulgado pela autoridade da Igreja, aliás, só pode ser legítimo, válido e santo. No segundo caso, os custódios da MP Traditionis estariam certos (a irreconciliabilidade dos dois ritos) e os padres e fiéis à tradição católica deveriam consistentemente recusar qualquer concessão com base na aceitação do Vaticano II e dos novos ritos, e não deveriam fazer uso dos dois motu proprio, nem a de 2007 nem a atual.


Agora, o novo rito da Missa (e dos sacramentos) foi escrito explicitamente no espírito do movimento ecumenista endossado pelo Vaticano II: isto é, ele se propõe a não defender as verdades da Fé, especialmente o sacrifício da Missa, o sacerdócio, a Transubstanciação, mas antes ir ao encontro daqueles que rejeitam estas verdades da fé, seguindo Martinho Lutero (o heresiarca homenageado pelos últimos ocupantes da Sé Apostólica, em particular pelo autor de Traditionis custodes ); não pode, portanto, ser um rito da Igreja, nem, portanto, provir de uma autoridade legítima da Igreja.

Em suma: a chave de tudo consiste em reconhecer a legitimidade de Paulo VI que promulgou a “constituição apostólica” Missale romanum , reconhecida (como a própria Fraternidade São Pio X, beneficiada como nunca antes, paradoxalmente, pelo autor de Traditionis custodes ) segue inevitavelmente a necessidade de reconhecer a legitimidade, validade e santidade da reforma litúrgica como um todo, e a necessidade, para além das artimanhas dos canonistas, de se conformar às disposições do MP Traditionis custodes.


Com base nessas considerações, concluímos:


Os MP Traditionis custodes – assim como o MP Summorum Pontificum e a “constituição apostólica” Missale Romanum não são um documento da Igreja. Portanto, não se deve obediência ou desobediência, nem devem ser contornados, mas ignorados.


O mp Traditionis custodes, embora não seja uma expressão da lei e da doutrina da Igreja, é, no entanto, um testemunho notável da profunda aversão dos neo-modernistas e dos ecumenistas pró-luteranos contra a liturgia imemorial da Igreja Romana, demonstrando assim a incompatibilidade dos dois ritos: os reformadores querem fazer desaparecer o rito católico, os católicos devem obter de Deus e de um legítimo Pontífice que o reformado seja expulso de nossas igrejas e de nossos altares.


“Você não pode servir a dois mestres”. O mp Traditionis custodes confirma a impossibilidade de estar e celebrar em comunhão com quem tem por finalidade declarada a supressão da Missa e dos sacramentos da Igreja.

“Você não pode servir a dois mestres”. O MP Traditionis custodes poderia ter o efeito benéfico não intencional de abrir os olhos dos duvidosos e de pôr fim às celebrações “tradicionais” que são frequentemente duvidosamente válidas e, em qualquer caso, sempre objetivamente enganosas, dada a suposição da aceitação do Vaticano II e do reforma litúrgica.


Os sacerdotes do Instituto Mater Boni Consilii continuarão, portanto, a celebrar silenciosamente o Santo Sacrifício da Missa e a administrar os Santos Sacramentos sem estar em comunhão com os ocupantes materiais mas não formais da Sé Apostólica, seguindo os venerados livros litúrgicos do Igreja Católica Romana promulgada pelo Papa São Pio V e seus sucessores, e de acordo com as rubricas de São Pio X.


Verrua Savoia, 21 de julho de 2021.

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare


bottom of page