top of page

INTRODUÇÃO À CRISE DE AUTORIDADE NA IGREJA E A SUA RESPECTIVA SOLUÇÃO TOMISTA



O material abaixo é um panorama dos problemas causados ​​pela crise do Vaticano II e a solução dada pela Tese. Os pontos individuais são desenvolvidos mais detalhadamente nas páginas deste site especificamente dedicadas a eles.



PRIMEIRO ARTIGO


O QUE HÁ DE ERRADO COM O VATICANO II?


1. O que há de errado com o Concílio Vaticano II?

O Concílio Vaticano II ensinou doutrinas que já haviam sido condenadas pela Igreja e promulgou disciplinas que são contrárias ao ensinamento e à prática constante da Igreja.


2. Que doutrinas ensinava que já estavam condenadas?

Existem quatro áreas principais da doutrina católica contra as quais o Vaticano II introduziu erros: (1) a unidade da Igreja; (2) ecumenismo; (3) liberdade religiosa; (4) colegialidade.


3. O que há de errado com as disciplinas que emanaram do Vaticano II?

O Código de Direito Canônico de 1983 contém a heresia do Vaticano II em relação à Igreja, mencionada acima. Também permite o sacrilégio ao Santíssimo Sacramento, ao aprovar a sua recepção por não-católicos, o que é um pecado mortal, e permite a communicatio in sacris (culto público comum) com não-católicos, o que é um pecado mortal. Além disso, o Diretório Ecuménico de 1993 permite que práticas ecuménicas que sempre foram ensinadas pela Igreja sejam mortalmente pecaminosas. A facilidade com que centenas de milhares de anulações de casamento são concedidas sem motivo sério é uma forma de “divórcio católico” disfarçado, permitido pelas novidades do Código de 1983.


4. O que há de errado com a liturgia que emanou do Vaticano II?

A Nova Missa de Paulo VI, que substituiu a Missa Católica tradicional, contém elementos emprestados do culto protestante. É um rito inovador em que a doutrina católica sobre a natureza do Santo Sacrifício da Missa, tal como foi ensinada pelo Concílio de Trento, foi sistematicamente eliminada e substituída por falsas doutrinas relativas à Missa, à Presença Real e ao sacerdócio.


5. Quais são as consequências destas mudanças do Vaticano II?

Significa que o Vaticano II e as suas reformas subsequentes deram-nos uma nova religião, uma religião que é substancialmente diferente da fé católica romana fundada por Cristo. Os reformadores alteraram substancialmente os três componentes principais da religião: doutrina, adoração e disciplina. Como resultado, a religião que os católicos encontram nas suas paróquias e escolas locais, embora no nome católica, é uma religião nova, não católica, já condenada pela Igreja Católica.


6. Não é a Igreja infalível na sua doutrina, na sua disciplina e na sua liturgia?

A autoridade suprema da Igreja é de fato infalível ao definir uma doutrina de fé e moral. Além disso, a Igreja não pode impor universalmente uma doutrina perniciosa no seu ensinamento autêntico e oficial. A Igreja é infalível na sua disciplina e liturgia, no sentido de que a disciplina e liturgia universal da Igreja é santa e santificadora e não pode prejudicar a fé e a moral dos fiéis. A Igreja também é infalível nas canonizações solenes dos santos.

Esta observação provoca uma crise de consciência nos católicos. Por um lado, como bons católicos, devem submeter-se com obediência religiosa à autoridade da Igreja. Por outro lado, eles compreendem a necessidade de preservar a doutrina, o culto e a disciplina tradicionais da Igreja. Esta crise exige que os católicos examinem a questão dos “papas Vaticano II”, cuja autoridade suprema deveria ter garantido a ortodoxia das referidas reformas.


SEGUNDO ARTIGO


QUE SOLUÇÃO OS CATÓLICOS DEVERÃO DAR PARA O ATUAL PROBLEMA DE AUTORIDADE NA IGREJA?


7. Que respostas foram propostas para o problema da autoridade?

Face às mudanças do Vaticano II e às reformas subsequentes, foram propostas as seguintes soluções:

  1. Os “papas Vaticano II” gozam da autoridade suprema da Igreja, e somos obrigados a obedecer e submeter-nos, ao mesmo tempo que denunciamos as referidas doutrinas e reformas. Esta é a posição de grupos como a Fraternidade Sacerdotal de São Pedro e o Instituto Sumo Sacerdote Cristo Rei.

  2. Os “papas Vaticano II” gozam da autoridade suprema da Igreja, mas deve-se resistir e rejeitar abertamente as referidas doutrinas e reformas, e exercer um apostolado não autorizado para salvar almas. Esta é a posição da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, conhecida como posição “Reconhecer e Resistir”.

  3. Os “papas Vaticano II” não têm a autoridade de Cristo, não são verdadeiros papas e já estão juridicamente depostos. Esta é a posição do totalismo , ou sedevacantismo completo .

  4. Os “papas Vaticano II” não têm a autoridade de Cristo, não são verdadeiros papas, mas este facto real ainda não foi legalmente estabelecido e reconhecido na Igreja universal. Esta é a solução proposta pela Tese, por vezes referida como sedevacantismo material-formal ou sedeprivacionismo.


8. Porque é que as duas primeiras posições, que reconhecem a autoridade dos “papas Vaticano II”, não são soluções viáveis?

Não são viáveis ​​para nenhum católico porque destroem a indefectibilidade da Igreja ao atribuir-lhe todas as doutrinas e reformas não-católicas provenientes do Vaticano II. Além disso, obriga-nos a cooperar nestas doutrinas e reformas não-católicas, ou a professar e praticar a desobediência aberta ao Romano Pontífice, o que é uma atitude cismática muitas vezes condenada pela Igreja.


9. A terceira posição (“sedevacantismo completo” ou “totalismo”) é uma solução viável?

Por um lado, esta terceira posição é absolutamente correcta ao negar autoridade aos “papas do Vaticano II”, preservando assim a infalibilidade da Igreja ao não atribuir à sua autoridade as abominações do Vaticano II. Esta posição é, portanto, correta na sua parte essencial. Por outro lado, não consegue fazer a distinção adequada entre a ordem real e a ordem jurídica. Por exemplo, alguém é de facto um assassino pelo simples facto de matar uma pessoa inocente, mas este crime ainda deve ser estabelecido num tribunal para que as suas consequências jurídicas e sanções jurídicas sejam aplicadas. Da mesma forma, o casamento celebrado publicamente goza de uma presunção legal de validade. Se o casamento for de facto descoberto como inválido, ainda mantém o seu estatuto válido de jure(perante a lei) até ser declarado inválido em um tribunal. Entretanto, os cônjuges não podem contrair outro casamento, nem agir como marido e mulher, visto que de facto não são casados. A posição “totalista” também é incapaz de fornecer uma resposta satisfatória ao problema da sucessão apostólica perpétua da Sé Romana, exigida pela indefectibilidade da Igreja e ensinada pelo Concílio Vaticano (1870) na Constituição Dogmática Pastor Aeternus :“Aquilo que o Príncipe dos Pastores e grande Pastor das ovelhas, Jesus Cristo nosso Senhor, estabeleceu na pessoa do Bem-Aventurado Apóstolo Pedro para garantir o bem-estar perpétuo e o bem duradouro da Igreja, deve, pela mesma instituição, necessariamente permanecer incessantemente na Igreja; que, estando fundada sobre a Rocha, permanecerá firme até o fim do mundo”.


10. Por que a quarta posição (a Tese) é uma solução viável?

A Tese não atribui à autoridade da Igreja as abominações do Vaticano II, não ofendendo assim a infalibilidade da Igreja a este respeito. Ao mesmo tempo, embora os “papados do Vaticano II” sejam nulos na realidade, a sua nulidade ainda não foi juridicamente estabelecida e declarada por uma autoridade competente na Igreja. Portanto, embora a Sé Romana esteja de facto vaga, ou seja, estes homens não foram e não são verdadeiros papas, ainda assim mantêm uma designação legal para serem papas, até ao momento em que esta lhes seja legalmente removida.


Esta distinção entre a ordem real (de facto) e a ordem jurídica (de jure) permite à Tese fornecer uma solução lógica para o problema da sucessão apostólica perpétua da Sé Romana, exigida pela indefectibilidade da Igreja.


Apresentaremos agora a Tese em suas diferentes partes.


TERCEIRO ARTIGO


QUE SOLUÇÃO DÁ A TESE PARA O ATUAL PROBLEMA DE AUTORIDADE NA IGREJA?


11. Francisco é o Papa?

Respondida de forma simples, a resposta é não. Ele não é o papa, não tem autoridade sobre a Igreja e, portanto, não goza da infalibilidade prometida por Cristo aos sucessores de São Pedro. Não devemos nos submeter aos seus ensinamentos, às suas leis e à liturgia que ele promulga. Ele é um lobo em pele de cordeiro, contra o qual Nosso Senhor nos alertou, ou mesmo, podemos dizer: um lobo em pele de pastor.


12. Como sabemos que Francisco não é o Papa?

Francisco e os “papas do Vaticano II”, desde João XXIII, têm se esforçado para mudar a Igreja a partir de dentro, impondo os erros do modernismo na doutrina, na disciplina e na liturgia. Cristo não poderia dar a autoridade suprema da Igreja a um indivíduo que pretende objectivamente impor assim a ideologia modernista aos fiéis.

Além disso, temos a confirmação de que estes “papas do Vaticano II” não gozam de facto da autoridade suprema da Igreja porque provaram, em muitos casos, ser falíveis em situações onde, se tivessem sido verdadeiros papas, deveriam ter sido infalíveis. ; já que a infalibilidade é um carisma inseparável ligado ao ofício supremo do papado.


13. A Tese não diz que ele é um papa eleito?

Sim, porque Francisco foi eleito para o Papado por um conclave. A eleição de Francisco se presume válida, porque é um fato jurídico, e o contrário deveria ser provado e estabelecido juridicamente, o que até agora não foi conseguido. Além disso, a aceitação geral por toda a Igreja convalidaria qualquer eleição defeituosa. Os teólogos concordam que a aceitação universal de um papa recém-eleito sempre supriria qualquer possível defeito no processo eleitoral.


14. Por que a nulidade da eleição deve ser estabelecida juridicamente?

Isto acontece porque em qualquer sociedade perfeita, como um Estado civil ou a Igreja, um facto é vinculativo para uma multidão de súditos quando é estabelecido com autoridade, quer por lei, quer por julgamento legal. Um assassino, por exemplo, é por lei passível de condenação e privação de certos direitos na sociedade. Mas enquanto o facto do crime não for reconhecido juridicamente, ele ainda não é um assassino perante a lei e, portanto, o exercício dos seus direitos ainda não foi restringido.


15. Sendo Francisco um herege, por que dizes que a sua eleição se presume válida?

Porque enquanto um herege incorre numa excomunhão automática pelo próprio facto de um delito de heresia, esta excomunhão não tem consequências jurídicas enquanto a pessoa não as observar e não forem aplicadas pelo superior da pessoa. A Lei Eclesiástica indica claramente que os hereges não condenados podem validamente eleger e ser eleitos.

Os hereges não condenados apenas são colocados ilicitamente no cargo, enquanto os hereges condenados, sejam tolerati ou vitandi, são eleitos ou nomeados invalidamente e não recebem o cargo de forma alguma. [1]
16. A Tese não fala de matéria e forma, ao explicar a situação atual do papado?

Na verdade, a Tese emprega estes termos teológicos, seguindo o ensino de teólogos aprovados, como São Roberto Belarmino, Santo Antonino, Cardeal Caetano, etc. O significado destes conceitos análogos é explicar que no papado existe uma certa composição. Na verdade, o papa é eleito pelos homens e, ao ser aceito, recebe de Cristo a autoridade suprema. Nos conceitos filosóficos de matéria e forma, matéria significa algo que recebe uma determinação adicional chamada forma. Assim, um sacerdote é um homem determinado pelo caráter do sacerdócio. Neste exemplo, o assunto é o homem; a forma é o sacerdócio. Quando a matéria e a forma estão unidas, constituem um sacerdote. Portanto, a forma é o que faz um composto ser o que é, determinando a matéria. Assim, no caso do papa, o papa eleito é um sujeito ou assunto, ou seja, um homem eleito e aceito. O que faz dele o papa, no entanto, que chamamos deforma do papado, é a autoridade suprema, dada por Cristo. Portanto, um papa não recebe a sua autoridade pela eleição, ou mesmo pela aceitação por parte da pessoa eleita. Estas são apenas determinações humanas do sujeito que o dispõem a receber o papado. Mas a autoridade suprema da Igreja não vem dos homens, vem de Deus. É dado por Deus a esta pessoa e é o que faz dela o papa. Daí a Tese diz que Francisco (e os “papas do Vaticano II” antes dele) não é formalmente papa, embora se diga que ele é materialmente papa, isto é, ele foi validamente eleito, mas não possui o poder de ensinar, governar e santificar a Igreja em nome de Cristo e como Seu vigário.


17. O que você quer dizer ao dizer que Francisco não é formalmente o papa?

Teólogos como São Roberto Belarmino referem-se à autoridade suprema sobre a Igreja, dada aos sucessores de São Pedro como o aspecto formal (ou forma ) do papado. É o que faz com que alguém que foi legitimamente eleito e aceitou a eleição seja papa. Não vem dos homens, mas de Cristo, Cabeça da Igreja. Na verdade, o papa é o vigário de Cristo e a cabeça visível da Igreja. Alguém é, portanto, um verdadeiro papa apenas se tiver a autoridade de Cristo e agir em Seu nome.


18. O que você quer dizer ao dizer que Francisco ainda é materialmente o papa?

Os mesmos teólogos que se referem à autoridade suprema dada ao papa por Cristo como a forma do papado falam do sujeito que recebe esta forma como a matéria ou aspecto material do papado. Na verdade, para ter um papa, é necessária não só a autoridade de Cristo, mas também um sujeito para receber essa autoridade: a pessoa que é eleita. Dizer que Francisco é materialmente o papa significa, portanto, que ele foi determinado de uma maneira particular, pela sua eleição, a receber a forma do papado, ou seja, a autoridade suprema da Igreja. Francisco foi de facto eleito para o papado, embora não tenha recebido de Cristo a sua autoridade suprema. Apesar de não ser o papa formalmente, portanto, podemos dizer que ele é papa materialmente . Em outras palavras, ele foi escolhido para se tornar papa, apesar de não ter se tornado um. Da mesma forma, o presidente dos Estados Unidos é eleito em Novembro, mas só recebe autoridade legítima em Janeiro, quando faz o juramento de posse. Entretanto, portanto, ele é um presidente eleito, mas não tem autoridade, até que jure defender a constituição dos Estados Unidos:

Juro solenemente que exercerei fielmente o cargo de Presidente dos Estados Unidos e, da melhor maneira possível, preservarei, protegerei e defenderei a Constituição dos Estados Unidos.
19. Como isso é possível?

Isso é explicado com mais detalhes em uma parte dedicada. A eleição do papa não está concluída até que o papa eleito aceite a sua eleição. Só então ele recebe a autoridade suprema para ensinar, governar e santificar a Igreja em nome de Cristo, para esse propósito ele é assistido pelo Espírito Santo. Podemos observar por um lado que Bergoglio foi eleito; mas por outro lado que ele de fato não possui a autoridade de Cristo e não é assistido pelo Espírito Santo. Isto nos leva a questionar a aceitação do papado por Bergoglio, aceitação essa que é uma condição absolutamente necessária para a conclusão da eleição e a comunicação da autoridade suprema de Cristo.


20. Francisco não aceitou a eleição?

Ele o fez na aparência e nas palavras, mas não o fez verdadeiramente e na realidade. Ele colocou um obstáculo a um consentimento válido que é incompatível com uma aceitação sincera, sendo este obstáculo a intenção de mudar substancialmente a Igreja e impor-lhe a heresia modernista, como explicado acima. Isto é manifestado pelas suas inúmeras declarações e ações ultrajantes.


21. Ao dizer isso, você não está julgando a intenção interna dele, que só Deus poderia saber com certeza?

Não, porque não estamos considerando a sua intenção subjetiva e interna, mas a sua intenção objetiva e exterior. A rigor, não estamos julgando as razões que o motivam a fazer o que faz, mas apenas a tendência habitual das ações que ele propõe. Os motivos pessoais são extrínsecos às ações de alguém e muitas vezes incertos. O fim objectivo das acções externas é, no entanto, intrínseco a ela e pode ser facilmente julgado através do exame das palavras e acções da pessoa. Portanto, às vezes pode-se não ter certeza do motivo pelo qual uma pessoa deseja se casar: seria para fundar uma família católica ou por causa do dinheiro do futuro cônjuge? Em ambos os casos, a pessoa ainda pretenderia se casar. Portanto, embora não se possa ter certeza do motivo pelo qual uma pessoa deseja se casar, pode ficar claro que essa pessoa realmente deseja se casar. Do mesmo jeito, por que alguém aceitaria tornar-se papa é em si irrelevante para o presente argumento: seria sinceramente para a maior glória de Deus? Seria motivado por orgulho e ambição? Seria motivado pelo amor ao conforto e às riquezas? Estes motivos pessoais, que poderiam coexistir até certo ponto, são subjetivos e muitas vezes difíceis de julgar. Mas o que é comum em todos estes casos é que a pessoa aceita objetivamente tornar-se papa de qualquer maneira. Esta é a intenção objetiva, manifestada pela própria ação. são subjetivos e muitas vezes difíceis de julgar. Mas o que é comum em todos estes casos é que a pessoa aceita objetivamente tornar-se papa de qualquer maneira. Esta é a intenção objetiva, manifestada pela própria ação. são subjetivos e muitas vezes difíceis de julgar. Mas o que é comum em todos estes casos é que a pessoa aceita objetivamente tornar-se papa de qualquer maneira. Esta é a intenção objetiva, manifestada pela própria ação.


22. O que há de errado na intenção de Francisco?

A Tese sustenta que a intenção objetiva de Francisco é incompatível com a aceitação do papado, porque esta intenção não corresponde ao que é o papado. O ato de aceitação do papado é um ato que não deve ser manifestado apenas externamente, mas também interno, como qualquer outra ação moral. Se você cometer uma ação pecaminosa sem qualquer conhecimento ou consentimento, por exemplo, você não peca verdadeiramente. Se você come carne numa sexta-feira pensando que era terça-feira, você não peca de verdade. Assim, para expressar o fato de que você não pecou verdadeiramente, os teólogos morais dizem que você não pecou formalmente , mas apenas materialmente (isto é, apenas quanto à ação externa). Da mesma forma, se alguém aceitasse tornar-se papa pensando que o papado é algum tipo de liderança humanitária, essa pessoa não teria aceitado verdadeiramente o papado, porque o seu consentimento não foi dado ao que o papado realmente é, mas a isso. noção falsa. A Tese sustenta que Francisco, ao dar uma aceitação externa à sua eleição, não aceitou verdadeiramente o papado tal como é, tal como foi estabelecido por Cristo, mas sim, aceitou algum tipo de empreendimento humanitário mundial, como é evidente pelos seus muitos declarações e ações. Isto é particularmente evidente na sua renúncia ao título de vigário de Cristo. Pois ser vigário de Cristo não é para o papa um mero título honorífico, mas a sua própria definição.


Por analogia, um homem que aceita ser capitão de um navio, mas que tem a intenção de afundá-lo deliberadamente, perderia qualquer autoridade sobre o próprio navio. O cargo de capitão tem essencialmente a missão de transportar um navio com segurança ao seu destino. Para ser capitão é preciso ter essa intenção.


23. Nesta situação, como devemos nos comportar em relação a Francisco?

Visto que ele não é formal e verdadeiramente o papa, ele não tem autoridade na Igreja Católica, e devemos, portanto, ignorar qualquer um dos seus ensinamentos e decisões. E como na verdade ele está impondo o modernismo aos fiéis, ele deveria ser denunciado como um perigo para a fé e como um lobo matando ovelhas.

Pois se ele é verdadeiramente o papa, então todas as reformas do Vaticano II estão em perfeito acordo com a fé católica e não devem ser rejeitadas ou resistidas. Por outras palavras, não se pode rejeitar o Vaticano II, mas aceitá-lo como papa; inversamente, você não pode aceitá-lo como papa, mas rejeitar o Vaticano II. Ou como Bp. Robert McKenna costumava dizer: “Você não pode ter o seu papa e comê-lo também”.

Por outro lado, uma vez que ele foi eleito papa, não podemos, entretanto, eleger outro papa.


24. Quais são as consequências práticas para mim como católico tradicional?

Na ordem prática, deve-se continuar a acreditar na fé tradicional, observar as disciplinas tradicionais da Igreja e receber os sacramentos tradicionais. Em particular, deve-se ir apenas à Missa tradicional, oferecida por sacerdotes que não mencionam o nome de Bergoglio no Cânon da Missa ( non una cum ), pois nomeá-lo no Cânone da Missa equivale a reconhecê-lo como o vigário legítimo de Cristo e, portanto, reconhecendo implicitamente a legitimidade das reformas e heresias do Vaticano II.

Comments


bottom of page