top of page

KAROL, ADAM, JACOB

O artigo seguinte foi traduzido da edição francesa da Sodalitium (no. 48) e comparado com a versão italiana (no. 49)



Por Padre Francesco Ricossa


[...] Apresentamos aos nossos leitores um estudo capaz de lançar alguma luz sobre o pensamento de João Paulo II e, mais particularmente, sobre o interesse e a simpatia que ele demonstra pelo mundo judeu, interesse que o levou àquele encontro histórico com o grande Rabino Toaff, na Sinagoga de Roma, no dia 13 de Abril de 1986.

Para isso, sugerimos que o leitor nos acompanhe, entre outros fios, aquele que liga Karol Wojtyla a Adam Mickiewicz, e este último a Jacob Frank, tomando como ponto de partida da nossa pesquisa duas testemunhas insuspeitas de preconceito para com João Paulo II: o Padre de Lubac, um teólogo criado pelo próprio João Paulo II, e o filósofo e político democrata-cristão Rocco Buttiglione.

Sodalitium


Em 16 de Outubro de 1978...


"Na noite da sua eleição, 16 de Outubro de 1978, da varanda de São Pedro em Roma, o Cardeal Karol Wojtyla, que se tinha tornado João Paulo II, aclamou Mickiewicz, uma testemunha da fé católica e da liberdade. E na longínqua Cracóvia, que o poeta exilado nunca mais pôde ver, naquela mesma noite, "as procissões de celebração das eleições papais, em honra dos heróis da história polaca, expressaram-nos que de Adam Mickiewicz a Karol Wojtyla se perseguia a continuidade da mesma esperança, à qual a história parecia finalmente responder com um sorriso" (La Croix, 27/10/1978)" (1). É isto que o Padre de Lubac escreve para recordar a afinidade entre os dois poetas poloneses, Karol Wojtyla e Adam Mickiewicz. Buttiglione observa: "É interessante notar que, imediatamente após a sua eleição para o Supremo Pontificado, o primeiro lugar a que João Paulo II peregrinou foi o santuário de Mentorella, perto de Roma, frequentado pelos Padres Ressurreicionistas" (2). No entanto, "a lenda diz que após o fracasso da rebelião [dos poloneses contra o czar] em 1831, alguns dos líderes da revolta estavam no exílio em Paris. Numa reunião em Pentecostes de 1836, depois de ter analisado novamente a situação política e de a ter considerado desesperada, Mickiewicz concluiu que uma ordem religiosa deve ser fundada para salvar a alma da nação. Precisamos de uma nova ordem, não há outra salvação, mas quem a pode encontrar? Estou demasiado orgulhoso'. E foi então que o grande poeta nomeou Bogdan Janski que, pouco tempo depois, iria de fato fundar a Ordem dos Ressurreicionistas com Piotr Semenenko e Hieronim Kajsiewicz" (3). O jovem Wojtyla foi portanto influenciado por Adam Mickiewicz, como o próprio Buttiglione afirma (p. 36) e João Paulo II o confirmou solenemente, com os dois primeiros gestos significativos feitos imediatamente após a sua eleição (4). Mas quem era o Mickiewicz?


Apenas um Mazzini polaco?


Edgar Quinet, Jules Michelet, Adam Mickiewicz: "os três Anabatistas do Collège de France" (Daniel Halévy); "trio sagrado preparando o surto de 1848" (Giovanni Scovazzi, discurso na coroação do busto de Mickiewicz no Capitólio, em Roma, 26 de Novembro de 1879). No entanto, de Lubac assinala as diferenças entre os três amigos e colegas do Collège de France: "Mickiewicz, que tinha admirado Voltaire na sua juventude precoce, detestava-o; Michelet e Quinet deviam ser membros do comité formado para erigir uma estátua dele" (5). Mickiewicz era católico e bonapartista; os seus amigos eram ateus e republicanos. Mickiewicz foi um revolucionário, é verdade, mas um revolucionário em particular: "um místico".

Nascido na Lituânia em 24 de Dezembro de 1798 (200 anos antes da eleição de Karol Wojtyla), sob o domínio czarista, fundou a Sociedade de Filomatas (então Filaretas, então Irradianos) na Universidade de Vilnius em 1815, "com objectivos aparentemente literários (...) na realidade políticos" (6); por esta razão foi preso e exilado para a Rússia, de onde foi expulso em 1829. Foi então para Roma: "Ele teve uma Iluminação e formação espiritual volteriana; em Roma recuperou a consciência do poder criador superior da fé apenas sobre a razão, e este conceito iria doravante inspirar toda a sua poesia". "Em 1831, depois de ter tentado em vão voltar à sua pátria revoltosa, M. partiu para Paris", onde frequentou o meio emigrante polaco. Para eles, a encíclica Cum primum de Gregório XVI, de 9 de junho de 1832, que apoiava a repressão russa contra os poloneses (7), foi uma grande decepção. Em 1839, ele lecionou na Universidade de Lausanne, e no ano seguinte no Collège de France, em Paris, como já vimos. "Em 1848, durante a rebelião do povo, M., que tinha seguido os movimentos nacionalistas toda a sua vida e que era amigo de Mazzini [este último traduziu parte da sua poesia] e de outros patriotas, fundou uma legião que lutou na primeira guerra de independência italiana. Voltou a Paris depois de outra derrota, depois partiu novamente para uma missão política em Constantinopla, onde morreu em 1855. Destes esboços biográficos retirados da Enciclopédia Cattolica, emerge a figura de um católico liberal, vagamente mazziniano M.. E isso já seria mau o suficiente, mas há mais?




Henri de Lubac, S.J (Modernista)

Mickiewicz e Lammenais


O Padre de Lubac não hesita em colocar M. na "posteridade espiritual de Joaquim de Fiore", mesmo se, por outro lado, assume a defesa da ortodoxia do nosso personagem, como faz com o Padre Teilhard du Chardin, com quem o associa explicitamente (8). Um empreendimento desesperado em ambos os casos. Então, com o de Lubac, vamos aprofundar os nossos conhecimentos sobre M.

Primeiro de tudo, foi a leitura do Ensaio de Lammenais sobre a Indiferença durante sua deportação para São Petersburgo que aproximou M. do "catolicismo" (p. 242). Em 1831, M. conheceu pessoalmente o "profeta de La Chesnaie" em Paris e eles se tornaram amigos; eles foram justamente apelidados de "os Peregrinos do Futuro" (9). "Lammenais, escreveu em Lelewel em 23 de maio de 1832, 'é o único francês que chorou sinceramente por nós'" (p. 240). A obra de M., The Books of the Polish Nation and its Pilgrimage (1832), foi traduzida para o francês por Janski (o futuro fundador dos Ressurreicionistas) e pelo Conde de Montalembert. O nome deste último aparece para que "o livro se espalhasse entre os católicos liberais". Foram Montalembert e Lammenais que escolheram o título da edição francesa, O Livro dos Peregrinos Polacos (1833); Montalembert escreveu o prefácio e Lammenais acrescentou um "hino à Polônia" de sua própria composição. Recordo que as ideias de Lammenais, expressas na sua revista L'Avenir, já tinham sido condenadas por Gregório XVI na encíclica Mirari vos de 15 de Agosto de 1832, mas o Papa, na esperança de arrependimento, tinha omitido o nome do infeliz padre. Lammenais "admirava imediatamente o pequeno livro de M.: 'Uma expressão tão pura de Fé e Liberdade, tudo isto é uma maravilha no nosso século de servidão e descrença' (...) Ele próprio tinha então começado, dirá, a escrever um pequeno livro 'de um género muito semelhante, mas sem muito incentivo, hesitou em ir em frente. A leitura do manuscrito dos Peregrinos foi "a faísca" que o decidiu. Ele imita 'o estilo bíblico e visionário', emprestando o modo parabólico em 'A Palavra de um Crente'. Conhecemos a carta que Maurice de Guérin escreveu ao seu amigo Hippolyte de la Morvonnais em 10 de maio de 1834, a respeito de três escritos de M., Lammenais e Silvio Pellico (Minhas Prisões), que apareceram num curto espaço de tempo: 'terrível trilogia..., três golpes do maça, um após o outro, dados por homens católicos, puros e santos' (pp. 241-242).


Teilhard de Chardin, S.J (Modernista)

Mas o Papa não viu da mesma maneira: "A provação foi difícil tanto para o Polo como para o Bretão. Se a condenação romana de junho de 1834 [a encíclica Singulari nos de Gregório XVI] foi dirigida sobretudo a Lammenais, não poupou M., cuja atitude também foi severamente reprovada", numa carta ao Bispo de Rennes, em 15 de outubro de 1833. Foi então que os caminhos de Lammenais e M. se separaram: o primeiro apostatou, o segundo submeteu (?) e fundou em 1834 a "Association of United Brothers", da qual o ex-Charbonary Janski se tornou membro (p. 244). Finalmente, em 1836, como vimos, eles fundaram juntos a ordem religiosa dos Ressurreicionistas.




Mickiewicz e o messianismo


Assim que M. deixou a companhia de um herege (Lammenais), começou a freqüentar outro, talvez pior: Andrzej Towianski (1799-1871), um ex-aluno de Vilna. Esta última desembarcou em Paris em 1841 e "curou à distância" a esposa de M., que estava num hospital psiquiátrico, tornando-se assim para M. "Enviado de Deus". "Durante três anos consecutivos, incluindo os dois últimos anos do seu ensino [no Collège de France], M. tornou-se o arauto do Towianskiismo" (pp. 253-25). Towianski era um seguidor do "messianismo", uma corrente inaugurada por Hoëne Wronski (1778-1853), "que tinha vindo a acreditar ser o Paráclito encarregado de anunciar o 'cristianismo cumprido'" (p. 251). Dois grandes homens poloneses de letras, Zygmunt Krasinski (1812-1859) e Augustus Cieszkovsky (1814-1894) eram também messianistas: o primeiro "anunciava que a Igreja de Pedro estava chegando ao fim, como toda a sociedade antiga"; o segundo "anunciava a abertura da terceira e última era da história": depois da antiguidade, que era a era do Pai, e o cristianismo, que era a era do Filho, viria logo a era do Espírito Santo; quem, realizando a harmonia da vontade humana com a vontade divina, estabeleceria o Reino de Deus sobre a terra: então se realizaria a "plenitude das nações" anunciada por São Paulo" (pp. 250-251). Quanto a Towianski, ele acredita humildemente ser, após Napoleão (10), a terceira epifania de Cristo, o líder predestinado que deveria nascer de uma nação, a Polônia, martirizada e redentora como Cristo. Ele estava "embriagado de literatura mística e oculta; ele pode ter sido iniciado em várias sociedades secretas" (p. 252). "Seu sistema metafísico e moral, anti-racionalista e anti-autoritário, foi influenciado por Saint-Martin, Swedenborg, T. Grabianka" (11); mas também por um certo Jacob Frank, do qual voltarei. É interessante notar que para T., no final dos tempos, o inferno não existiria mais (8). Muitos autores foram influenciados por T.: assim, o poeta polonês Juliusz Slowaki (1803-1849), que prevê a eleição de um papa eslavo (12); o nosso próprio Mickiewicz; o escritor modernista Fogazzaro (13). Agora, Mickiewicz, Slowaki, Krasinski, são indicados por Buttiglione como "professores" de Karol Wojtyla (p. 32). Towianski expôs o seu pensamento num livro de 1841 (colocado no Índice em 1858) intitulado Biesiada, o Banquete. M. tornou-se o seu divulgador no prestigioso Collège de France. "Em dezembro de 1843, ele tomou como tema do seu curso 'a Ceia' (= 'o Banquete'), do qual ele respeitou o anonimato e evitou citar diretamente. É, afirma ele, "o fruto mais precioso e maduro que veio da árvore da vida da raça eslava", é "uma declaração de guerra contra toda a doutrina, contra todos os sistemas racionalistas"". (p. 254). "Sinto-me sustentado por uma força que não vem do homem", disse M. durante sua palestra de 19 de março de 1844, "(...) Eu me proclamo diante do céu o testemunho vivo da nova revelação" (p. 254). Não é de modo algum surpreendente que M. e seus seguidores tenham sido tomados por "novos Montanistas" (14). O Estado (Louis Philippe) e a Igreja estavam preocupados, embora por razões diferentes. O primeiro forçou discretamente M. a deixar sua cátedra em 1844, e o segundo, em 15 de abril de 1848, colocou os dois últimos volumes de seus cursos parisienses no Índice: A Igreja e o Messias e A Igreja Oficial e o Messianismo.



Adam Mickiewicz, realizando uma pose clássica maçonica

Mickiewicz e a "Igreja oficial".


Se for anunciado um novo Messias, um novo Salvador, uma nova Revelação, o que será da Igreja (a antiga)? Naturalmente, ele deve desaparecer para dar lugar ao novo (é isso que Krasinski pensa); ou então ele deve ser transformado (é isso que M. pensa). E entretanto, é "a Igreja oficial", em oposição à "Igreja do futuro" (p. 270), que emergirá da antiga "como a borboleta da crisálida" (15). "As lições do Collège de France em 1842-1844 são difíceis para a 'Igreja oficial'. Eles rejeitam qualquer idéia 'de ofender os homens que a representam', mas notam que 'perdeu o espírito de profecia'. A 'velha teologia clerical' já não é suficiente para nos guiar; embora nos ensine bem a conhecer Deus, não nos faz 'senti-lo'"". (p. 260). O próprio M. acredita ser "um profeta" (p. 246), "um iluminado" (p. 250), quando fala entra em êxtase (p. 249) e é considerado como um santo e um místico (p. 239). "Um pressentimento universal", diz M., "avisou-nos da iminência de uma nova crise.... Os espíritos mais ligados à velha tradição, como Joseph de Maistre (16), o previam" (p. 260). A Igreja "oficial" tornou-se racionalista: "Esta Igreja, cuja existência é milagrosa, evita falar de milagres", "só sabe rejeitar e condenar"; mas "será salva, apesar (dos sacerdotes) e contra eles" (p. 269) (17). "A partir da Reforma" "do lado do catolicismo, começa a petrificação e do lado do protestantismo, a putrefação" (p. 269); para remediar este processo, é necessário um ecumenismo católico a la de Maistre (ibidem). O seguinte episódio resume bem a ideia que M. tem da Igreja: "Era 16 de Janeiro de 1844. Sem dúvida nunca desde a sua fundação, de nenhuma das suas cadeiras, os ouvintes do Collège de France tinham ouvido algo parecido (...) Naquele dia, o historiador da literatura eslava [M.] apresentou a síntese da sua visão católica". M. narrou então aos alunos a lenda escrita por Krasinski quatro anos antes (18): "Véspera de Natal". Em São Pedro, em Roma, o Papa termina a missa rodeado de velhos cansados. No meio deles aparece um jovem vestido de púrpura: é a Igreja do futuro, na pessoa de João (19). Ele anuncia à multidão de peregrinos que os tempos se cumprem; depois, indo ao túmulo do Príncipe dos Apóstolos, ele o chama pelo nome e o ordena a partir. O cadáver ergue-se e exclama: "Desgraça!". Depois a cúpula da basílica racha e quebra. O jovem cardeal pergunta: "Peter, você me reconhece? O cadáver responde: "A tua cabeça repousou no peito do Salvador e tu não conheceste a morte, eu conheço-te"". Pedro regressa ao túmulo, tendo dado o seu lugar a João. Os peregrinos poloneses, por fidelidade, morrem sob as ruínas da Basílica de São Pedro. "O Peter morreu para sempre. A Igreja Romana está acabada, os seus últimos fiéis estão mortos. A ruptura está consumada". M. retoma a alegoria de Krasinski, mas muda o final. Os peregrinos poloneses que "procuram a Igreja do futuro" não perecem sob as ruínas, mas salvam a Igreja. "Eles - estas são as próprias palavras de M. - abrirão a cúpula à luz do céu, para que ela se pareça com o panteão do qual é a cópia (20); para que seja novamente a basílica do universo, o panteão, o pancosmo e a pandemia, o templo de todos os espíritos; para que nos dê a chave de todas as tradições e de todas as filosofias.... "(p. 271). De Lubac pensa que M. corrige Krasinski num sentido ortodoxo; para Journet, pelo contrário, ele "acentua o seu carácter herético". Para M., é verdade, a Igreja de João não destrói a de Pedro, mas nasce dela como a borboleta da crisálida; direi que Mickiewicz é tão herético quanto Krasinski, mas mais perigoso: "Cuidado com os falsos profetas, que vêm a vós em pele de ovelha" (Mt 7,15). E quando, a 5 de Abril de 1848, à frente da sua legião polaca, M. entrou na Basílica de São Pedro em procissão, acreditou que o sonho da "véspera de Natal" estava próximo (cf. p. 458). Mas a 29 de Abril Pio IX recusou-se a declarar guerra à Áustria. A República Romana liderada por Mazzini - o amigo de M. - depunha o Papa, mas também se encaminhava para a derrota. A realização de uma Igreja "espiritual", objeto dos seus sonhos, foi adiada para mais tarde. Embora M. tivesse se separado de Towianski em 1845, ele interviria em seu nome junto ao governo francês em 1848 e 1851 (p. 275, no. 4); nem abandonaria seu falso misticismo, como veremos.


Mickiewicz, um Maçom Martinista


Na verdade, as relações de Towianski com ele também eram de natureza oculta, ou seja, maçônica. Ele pertencia à Maçonaria? Desde o início, em 1817, nós o vemos fundando a sociedade secreta dos Filomatas (Towarzystwo filomatow). Em 1820, juntou-se a outra sociedade secreta, a dos Filaretas, da qual falou na terceira parte do seu livro Dziady (Os Antepassados) de 1833. Infelizmente, não sei se os Philarets têm alguma coisa a ver com as pousadas maçônicas chamadas Philalets (21). Em qualquer caso, estas sociedades secretas polacas foram a réplica (e muitas vezes o aliado) das sociedades secretas russas - uma espécie de Carbonarismo Eslavo - que estiveram na origem da trama do Decabrista. O governo czarista tinha reconhecido a mão da Maçonaria na trama decabrista de 1825, e foi precisamente nessa circunstância que a Maçonaria foi declarada ilegal na Rússia (22). Mesmo supondo que as sociedades secretas às quais o jovem M. então aderiu não fossem maçônicas, um encontro o levará ao Martinismo: aquele com Oleszkiewick. "Ninguém terá sobre ele uma influência tão forte como o polaco Josef Oleszkiewick, pintor, místico, discípulo de Saint-Martin, que será o primeiro a iniciar M. em experiências de vida mais profundamente religiosas" (23). Foi assim que M. se tornou um Martinista de um Volteriano, um racionalista, um "místico"; em 1836 publicou Zdania i uwagi (Sentenças e Observações), uma compilação de citações das obras de Böhme (24), Silesius e Saint-Martin (25). Agora, com Saint-Martin estamos no meio da Maçonaria, e mesmo no meio do Kabbalismo Judaico! Foi neste meio esotérico, muito antes de se juntar ao movimento de Towianski, que o pensamento de M. ficou atolado: "Fortemente influenciado em sua juventude pelo misticismo das sociedades secretas, - de Lubac deve admitir - depois por Böhme, por quem se apaixonou em Dresden em 1832 (26), pelas visões de Frédérique Wanner, por Swedenborg (27), por Baader e por Saint-Martin, que leu em Paris em 1833, mas também por Catherine Emmerich (...) e pelos grandes místicos da época" (28)....) e pelos grandes místicos da tradição cristã, especialmente Dionísio (que ele pretende traduzir para o polonês); ele se assemelha a um José de Maistre que teria estado mais próximo das fontes de inspiração popular, um Lammenais que teria permanecido fiel" (p. 245). De fato, quanto mais de Lubac tenta desculpar M., mais ele - involuntariamente - agrava a situação; mais ele deixa claro o lugar de M. entre os pensadores mais perigosos do esoterismo "cristão-masônico".


Mickiewicz e os judeus


"Há duzentos anos, em 24 de Dezembro de 1798, Adam Mickiewicz, o maior poeta polaco de todos os tempos, nasceu em Nowogrodok, Bielorrússia, não muito longe de Vilnius, a 'Jerusalém da Lituânia'. (...) Ele era um europeu e um homem muito próximo do judaísmo. (...) Diz-se que ele tinha origens judaicas. Em todo o caso, ele era um filósofo sincero. Um dia ele protestou violentamente num salão literário parisiense, na companhia de Gautier, Musset e Hugo, contra a atmosfera de anti-semitismo, dizendo: "Se houver a mínima alusão contra os judeus, retiro-me imediatamente". Ele era um humanista do século XIX que os judeus originários da Polónia nunca esqueceram". Estas linhas são retiradas de uma "homenagem" que a Actualité Judaie (o semanário da comunidade judaica francesa) dedicou a Mickiewicz (no. 592, 31/12/1998, p. 25). Por que devemos ficar surpreendidos? Um maçon martinista, M. conduz inevitavelmente, via Saint-Martin, a Martínez e Böhme; e via este último, à Cabala. Mas, como vimos, a influência do judaísmo no M. não é apenas indirecta. O filósofo de M. de Lubac também não é ignorado: "O privilégio único da revelação feita ao povo judeu consiste no fato de ter preparado a revelação definitiva [e, até agora, nada mais católico]. Mas uma marca ficou neste povo que ainda lhe atribui um papel no futuro [e esta é a novidade que antecipa o Concílio Vaticano II e João Paulo II! M. escreve: "O homem do passado procura ... uma verdade confortável, uma verdade fácil, uma verdade cortês". Mas nas regiões habitadas pela nossa raça [Polónia], as parcelas de verdade que nos chegaram foram conquistadas pelo suor do espírito. Ali vivem milhões de homens que pertencem a um povo conhecido, um povo que é o irmão mais velho da Europa, o irmão mais velho de todos os povos civilizados, o povo judeu; que, das profundezas das suas sinagogas, não cessaram durante séculos de proferir gritos aos quais nada no mundo se assemelha, aqueles gritos dos quais a humanidade perdeu a tradição. Agora, se algo pudesse trazer de volta à terra a verdade do céu, não seriam estes gritos, em que o homem se concentra e exala toda a sua vida?" (p. 263). A "tradição" (28) foi perdida por todos (mesmo pela Igreja, se bem entendi); só a Sinagoga a traz de volta à terra! Em 1848 M. forma em Roma uma "legião polaca" para combater a Áustria na primeira guerra de independência italiana, e compõe para ela um "Símbolo Político Polaco" em quinze artigos curtos. O segundo artigo diz: "Para Israel, nosso irmão mais velho, respeito, fraternidade; ajuda no caminho para o seu bem eterno e temporal; completa igualdade de direitos políticos e civis" (29). A Enciclopédia Judaica acrescenta outros elementos de apreciação: "Nela [no seu filo-semitismo] experimentou a influência do filósofo místico Andrzej Towianski, para quem judeus, franceses e poloneses formam juntos uma "nação escolhida", e cujo nacionalismo messiânico foi inspirado por Mesmer, Swedenborg e Kabbalah. Assim, no grande poema épico Pan Tadeusz (1834), a obra-prima de M., o judeu idealizado, Jankiel, é um ardente patriota polaco. Em seus cursos de língua e literatura eslava, quando era professor no Collège de France em Paris (1840-1844), M. se esforçava para elogiar os judeus e defendê-los contra seus detratores. Num sermão proferido na sinagoga parisiense por ocasião do jejum [...] em 1845, ele expressa sua solidariedade com os sofrimentos dos judeus e suas aspirações para a terra de Israel. Embora tivesse sonhado durante anos com a conversão dos judeus ao cristianismo, ficou muito decepcionado com as tendências assimilacionistas dos judeus franceses". Depois de recordar o episódio de 1848, a Enciclopédia Judaica continua: "Quando a Guerra da Crimeia rebentou em 1853, M. partiu para Constantinopla para ajudar a formar um regimento polaco para combater os russos. Ele esperava incluir unidades judaicas e comprometeu-se a assegurar-lhes o direito de observar o Sábado; bem como todas as suas outras obrigações religiosas. Seu segundo, Armand Levy, um oficial médico francês, era um judeu nacionalista, e não foi expulso até a criação das unidades judaicas; os dois líderes tinham a intenção de dar um primeiro passo para a restauração da nação judaica em suas próprias terras. M. morreu subitamente em Constantinopla, antes de poder cumprir a sua missão". Um católico polaco que, muito antes de Herzl e do Vaticano II, prega numa sinagoga, chama os judeus de "irmãos mais velhos" e prepara a criação de um Estado judeu na Palestina (30)! Isto não é desconcertante? Mas há uma explicação...


Mickiewicz e o Frankismo


É também Rocco Buttiglione quem no-lo sugere - ainda que involuntariamente - quando fala da influência sobre Towianski, Slowacki e Mickiewicz de um obscuro "messias do judaísmo polaco do século XVIII", um certo Jacob Frank (31). A Enciclopédia Judaica, à qual Buttiglione se refere, é ainda mais explícita: no drama intitulado Dziady (1832), M. "desenha um retrato do futuro salvador da Polónia; uma personagem em quem a interpretação acreditou ver o próprio autor". Segundo a visão de um dos personagens, esse salvador seria "o filho de uma mulher estrangeira; seu sangue seria o dos antigos heróis; e seu nome seria Quarenta e quatro". A mãe de M., descendente de uma família Frankista convertida, era uma "estrangeira"; e seu nome, Adam ( םדא ), se o "A" não pronunciado for omitido ( א ), tem o valor numérico 44. Estas noções cabalísticas foram plantadas nos escritos do místico francês Louis Claude de Saint-Martin". A mesma Enciclopédia, mas sob o título "Frank", acrescenta o seguinte: "..... O próprio poeta testemunha claramente esta filiação [Frankista] [do lado da mãe] (...) As origens Frankistas de M. eram bem conhecidas da comunidade judaica de Varsóvia já em 1838 (como testemunha o AZDJ do mesmo ano). Os pais da esposa do poeta [Celina Szymanowska, com quem se casou em 1834] também vieram de famílias franquistas. A mãe e a esposa de M. vieram de famílias Frankistas judias, como confirma o biógrafo de Jacob Frank Arthur Mandel: "A filha de Maria [Szymanowska] [32], Celina, era esposa de um grande filho da Polônia, o poeta Adam Mickiewicz, também de ascendência Frankista. Na sua peça Dziady (A Festa dos Antepassados), um drama místico misturado com temas franquistas, Mickiewicz implica por alusões veladas que ele era o Messias que, à cabeça da Polónia e do 'seu irmão mais velho', o povo judeu, conduziria a humanidade à liberdade, uma ideia que Frank recorda vividamente" (33). O que é particularmente significativo é o facto de Mickiewicz, cuja mãe era uma Frankista mas que nasceu e baptizou uma católica, ter casado com Celina Szymanowska, também católica mas filha de dois Frankistas, em 1834. Agora, a endogamia é precisamente um dos princípios essenciais dos Frankistas: "Devemos aceitar pro forma esta religião nazarena", disse Jacob Frank, "e observá-la meticulosamente, a fim de parecer melhores cristãos do que os próprios cristãos.... Mas não devemos nos casar com nenhuma das suas (...) e de forma alguma nos misturarmos com outras nações" (34). Sessenta e oito anos após o batismo de Frank e seus próprios antepassados, Adam Mickiewicz e Celina Szymanowska estavam unidos no casamento, respeitando, com o fato, as regras Frankistas: pura coincidência?



Jacob Frank: A sua vida


Mas quem era o Jacob Frank? Nossa história começa em 1665, quando toda a diáspora judaica acreditava ter encontrado na pessoa de Sabbatai Zevi (1616-1676), um cabalista de Esmirna, o tão esperado Messias (35). A decepção foi grande quando, no ano seguinte, forçado pelo Sultão a escolher entre a morte e a apostasia, Sabbatai Zevi optou por apostatar-se e tornar-se muçulmano (Setembro de 1666). Contudo, muitos viram nesta apostasia a confirmação paradoxal do caráter messiânico de Sabbatai: foi através do pecado que o Messias salvou o mundo! Muitos judeus, a fim de imitar o "Messias", apostataram por sua vez, enquanto permaneciam - como o próprio Zevi - interiormente judeus. Destes surgiu a seita chamada Dunmeh (apóstolos): "O General Kemal Atatürk, o pai da Turquia moderna, era um de seus números" (36). Um certo Lieb, um estalajadeiro em Korolowska (Galiza, Polónia), embora exteriormente judeu, era também um "sabbático". Em 1726 ele teve um filho, o pequeno Jacob, que só mais tarde, em Salónica, a sede dos Sabatianos, foi chamado Frank. Foi lá que Jacó, por sua vez, se proclamou Messias. Em 1755 ele voltou à Polónia. Os rabinos então o declararam herege e pediram à Igreja que o perseguisse como tal: Frank voltou à Turquia, tornou-se (externamente) muçulmano, confirmando assim que ele era a reencarnação de Sabbatai Zevi. No seu regresso à Polónia, insinuou a possibilidade de uma conversão ao cristianismo para si e para 30.000 dos seus discípulos. E de fato, na Catedral de Lvov, no verão de 1759, e depois em vários lugares na Polônia, 20.000 franquistas foram batizados, acedendo assim ao grau de nobreza; o resto, a maioria, permaneceu judeu, embora professando a doutrina de Frank. Em 18 de Novembro de 1759, em Varsóvia, o próprio Frank foi baptizado com o nome de José, sendo o seu padrinho o próprio Rei. Ao seu, Frank pede o maior sigilo sobre suas verdadeiras crenças; ao Rei, ele pede permissão para levantar um exército, bem como a alocação de um território para a fundação de um Estado judaico. Mas algo acontece, e Frank é relegado pela Inquisição para uma prisão dourada em Czenstokhova, que "se tornou assim um centro de peregrinação para os Frankistas" (37). Treze anos depois, ele foi libertado pelos russos. Entretanto, "ele começou a preparar o terreno para sua sucessora, sua filha Eva Avatcha, imortal como ele". Assim Eva Frank tornou-se uma espécie de contrapartida da Madona Negra de Czenstokhova, e ao lado do culto de Maria foi instituído um culto de Eva, ao qual o próprio Frank se submeteu" (38). Após sua libertação, ele foi para Moravia (Áustria), para Brünn, onde seu primo Schöndl Hirschel (1735-1791), esposa do rico monopolista do tabaco e fornecedor do exército Solomon Dobrouschka (1715-1774), viveu. A prima e dez dos seus doze filhos tinham se batizado, adotando nomes cristãos e o sobrenome Von Schönfeld; mas eles não eram cristãos, eram franquistas! Em 1778 eles foram enobrecidos. Renomeado Franz Thomas Von Schönfeld, Moisés Dobrouschka, um dos filhos de Salomão, foi conselheiro e banqueiro dos imperadores José II e Leopoldo II (cuja coroação foi assistida, entre os nobres, pelo "Barão Joseph Frank Dobrouschki", ou nosso Jacob Frank). Mas este Schönfeld também era membro da seita dos "Bavarian Illuminati" (que preparavam uma revolução igualitária) e um dos fundadores da ordem maçônica dos "irmãos asiáticos" (39), cujo Grão-Mestre foi o famoso Príncipe Carlos de Hesse-Cassel (1744-1836), sogro do Rei da Dinamarca, e a quem aderiu o futuro Rei da Prússia, Frederico Guilherme II. Jacob e Eva Frank também tiveram acesso aos Reis: em 1775 estiveram na corte de Maria Teresa e José II em Viena; em 1783 e 1813 foram os Romanovs (Paulo I e Alexandre I) que visitaram Eva Frank. Finalmente, Jacob Frank transferiu sua corte para Offenbach, na Alemanha, para o castelo do Duque de Isenburg (maçon e iluminista), onde viveu desde 1788 até sua morte em 1791. A Revolução Francesa já tinha estalado, e Jacob Frank tinha dito: "Eu vim para libertar o mundo de todas as leis e de todos os mandamentos. Tudo deve ser destruído, para que o bom Deus seja revelado" (40).


Frankismo e revolução


O Frankismo sobreviveu ao Jacob Frank. Antes de resumir as suas crenças, vejamos as suas consequências. Mandel mostra que os Frankistas apoiaram consistentemente todas as revoluções. O caso do primo e herdeiro de Frank é emblemático: Moses Dovrouschka como judeu, Franz Thomas Von Schönfeld como cristão, Isaac ben Joseph como maçon (41) e finalmente, Junius Brutus Frey como Jacobin. Chegando à França revolucionária, que ele chamou de "paraíso na terra" em 1792, foi ferido durante o cerco das Tuileries de 10 de agosto e acabou guilhotinado em Paris com seu irmão mais novo, seu cunhado (ex-cunhado Chabot, "o primeiro revolucionário da Europa") e Danton em 1794. Na lista do verdugo, ele aparece com outro nome (mais um, menos um...): Junius Eschine Portock. Um tributo à Revolução! (42). Isto não impediu que os Frankistas continuassem a apoiar as seguintes revoluções: estavam entre os líderes dos Jacobinos polacos na revolta de 1793-1795; estavam também entre os generais de Napoleão, que esperavam fundar o Estado judaico na Palestina (43); encorajaram as revoltas polacas de 1830 e 1863 contra o Czar (44). O apoio judeu e franquista às revoltas polacas é particularmente interessante para o nosso tema, pois Mickiewicz esteve pessoalmente envolvido e influenciou muito o patriotismo polaco de Wojtyla.



Jacob Frank: O seu pensamento


É colocado no contexto da Cabala (especialmente Zohar e Isaac Luria) e no que, mais perto de casa, da interpretação que lhe é dada por Sabbatai Zevi. Eu resumo o sistema de Zevi e Frank seguindo Gershom Scholem (45). "De acordo com Frank, o cosmos (tevel) (...) não foi criado pelo 'Deus vivo e bom' (p. 200), que é o Deus escondido e impessoal da Cabala". O pecado primordial de Adão fez com que as centelhas divinas (nitzotzot) caíssem em matéria=mal (kelipot), que está particularmente presente entre os gentios (p. 158). A missão do Messias Redentor, enviado pelo bom Deus, é libertar o nitzotzot do kelipot. Para isso, ele deve descer ao domínio impuro do kelipot, a fim de destruí-lo. Quanto mais ele entrar na impureza, melhor é; para isso ele deve cometer os "atos estranhos" (ma' assim zarim). A redenção cósmica (tikkun) é realizada através do pecado: "é violando a Torah que ela se cumpre" (bittulah shel Torah zehu kiyyumah) (p. 146); "bendito és tu, ó Senhor nosso Deus, Rei do universo, tu que permites o que é proibido" (p. 180). O "pneumático", o "espiritual", o "extravagante", os "senhores da alma santa" (p. 152) não pecam cometendo o mal, mas, paradoxalmente, apressam a Redenção. Os pecados preferidos são: a violação da Torá de beriah (a lei de Moisés) para substituí-la pela Torá de atzilut, que é exatamente o seu oposto; excessos sexuais de toda espécie, à imagem da união em Deus entre as partes masculina e feminina (pp. 181-182); e, finalmente, apostasia. A apostasia e o marranismo (pelo menos para o Messias) são necessários (p. 176), com a conseqüente obrigação de sigilo sobre a verdadeira fé judaica retida pelos falsos convertidos. "Recordando Sabbatai Zevi, eles podiam tolerar a sua conversão [de Frank] ao Islão, mas não podiam engolir o baptismo cristão." No entanto, Frank explicou aos seus discípulos: "O batismo era um mal necessário, o ponto mais baixo da encosta até o abismo, depois do qual a subida começou. (...) O batismo seria o início do fim da Igreja e da sociedade, e eles, os Frankistas, tinham sido escolhidos para provocar a destruição a partir de dentro, "como soldados que invadem uma cidade passando pelos esgotos". Por enquanto, o máximo sigilo e a mais rigorosa disciplina foram de rigueur; assim como uma meticulosa conformidade com os preceitos e práticas da Igreja, de modo a não levantar suspeitas. Observando exteriormente os preceitos da Igreja Católica, eles nunca deveriam perder de vista o seu verdadeiro propósito, nem esquecer que estavam ligados uns aos outros" (46).

O Messias Marran é muitas vezes visto como uma encarnação do bom Deus (pp. 194-195). Nas várias emanações deste último, Zevi foi a encarnação do "Santo de outrora"; Frank foi a do "Santo Rei"; a filha de Frank, Eva, foi a encarnação do Shekhinah. Se há um elemento feminino em Deus, deve haver também no Messias: "pois ela [Eva Frank] é a verdadeira Messias! Ela vai salvar o mundo" (Mandel, p. 107). A divina Sofia, a Gnose, é a "serpente sagrada" do Jardim do Éden (pp. 204-205), que se encontra novamente cometendo o "pecado sagrado", como já vimos. O próprio Scholem, que no entanto é fascinado, descreve esta doutrina como "satânica". Esta doutrina é ao mesmo tempo niilismo (já que tudo deve ser destruído), anomia (já que é o inimigo de toda lei, moral, mandamentos e religião), esoterismo (já que é uma doutrina "mística" e secreta) e, finalmente, gnosticismo. A semelhança com os piores gnósticos (como Carpocrates) é impressionante (pp. 205-206). Esta semelhança é explicada pela origem judaica e cabalística da gnose (47). No plano social, o Frankismo projetou um sionismo sem Sião, ou seja, a criação de um Estado judeu, mas não em Israel ("territorialismo"), a destruição da Religião, da Igreja, do Estado e de toda a moralidade.




Conclusão


No final do nosso estudo, uma conclusão deve ser tirada. E aqui, parece-me, devemos evitar cair em dois excessos opostos. Por um lado, a nossa conclusão ultrapassaria as premissas se afirmássemos a identidade do pensamento entre Adam Mickiewicz e Jacob Frank, e depois, a fortiori, entre este último e Karol Wojtyla. Mas, por outro lado, negar qualquer influência de Frank sobre Mickiewicz e deste último sobre Wojtyla seria ainda menos realista. O estabelecimento da profundidade destas influências recíprocas permanece uma questão em aberto. Depois de recordar as relações mais que amistosas da sua juventude com a comunidade judaica de Wadowice (48), e as mantidas mais tarde como bispo com a comunidade de Cracóvia, João Paulo II declarou a Vittorio Messori: "Eleito para a Sé de Pedro, guardo no fundo da minha alma as coisas que têm raízes muito profundas na minha vida. Por ocasião das minhas viagens apostólicas pelo mundo, procuro sempre encontrar representantes das comunidades judaicas. Mas a visita à sinagoga em Roma foi para mim, sem dúvida, uma experiência absolutamente excepcional. (...) Durante essa memorável visita, defini os judeus como irmãos mais velhos na fé. Estas palavras resumem o que o Concílio disse, o que não pode deixar de ser uma profunda convicção da Igreja. (...) Este povo extraordinário traz sempre dentro de si os sinais da eleição divina. (...) É verdade que Israel pagou caro pela sua "eleição". É talvez graças a isso que se tornou mais parecido com o Filho do Homem..." (49). Para todos aqueles que, como nossos leitores, estão familiarizados com o pensamento de Mickiewicz sobre o povo judeu, sua influência sobre João Paulo II é evidente, assim como a influência sobre Mickiewicz de suas próprias origens judaicas.

Assim a "pista" de Mickiewicz nos levou ao esoterismo, à Maçonaria, à Cabala. E não é o único, há outros que poderíamos seguir... Por exemplo, a de Mieczyslaw Kotlarczyk (um dos professores diretos de Wojtyla), que nos leva à Teosofia de Madame Blatvasky e à tradição judaica de Ismar Elbogen, como o próprio Buttiglione admite (op. cit., p. 35, n. 3). Também se poderia falar de Husserl e Scheler, de Soloviev e Bulgakov (que nos trazem de volta à Sofia presente em Deus), de Buber e Levinas... e eu me reservo de voltar a estes temas. Mas parece-me que já dei bastante luz sobre a origem histórica e cultural, talvez também familiar, de uma das expressões mais famosas de João Paulo II; graças à qual, para tomar emprestado o título de um livro do grande rabino Toaff, os "pérfidos judeus" se tornaram nossos "irmãos mais velhos".


Notas


1) H. de Lubac, La postérité spirituelle de Joachim de Fiore. II. De Saint-Simon à nos jours. Lethielleux, Paris 1981, p. 281.

2) João Paulo II visitou o santuário de Mentorella em 29 de outubro de 1978, cf. La Documentation Catholique, 1978, pp. 958-959.

3) R. Buttiglione, Il pensiero de Karol Wojtyla, Jaka Book, Milão 1982, pp. 33-34, n. 2; in fr.: "La pensée de Karol Wojtyla", Communio, Fayard, pp. 37-38, nota 2: "No início, sob a influência do seu meio, os três quase perderam a sua fé; Janski foi até um dos principais membros da escola filosófico-social dos sansimonianos. Insatisfeito com a sua busca da 'verdade', ele deixou a seita e, por instigação do poeta Adam Mickiewicz, fundou com os outros dois a nova sociedade religiosa, com o propósito de sustentar a fé vacilante dos emigrantes e reformar, através deles, toda a nação" (Enciclopedia Cattolica, Cidade do Vaticano, 1953, vol. X, col. 818, Resurrectionists).

4) Para se limitar ao início do seu pontificado, João Paulo II citou Mickiewicz na sua "Mensagem aos Polacos" de 23 de Outubro de 1978 (DC nº 1752, 19/11/78, p. 954) e duas vezes durante a sua primeira peregrinação à Polónia: em 3 de Junho de 1979 em Gniezno ("Allocution to the Youth", DC nº 1767 (13) de 1/7/79). 954), e duas vezes durante a sua primeira peregrinação à Polónia: em 3 de Junho de 1979 em Gniezno ("Allocution to the Youth", CD nº 1767 (13) de 1/7/79, p. 613), e no dia seguinte em Jasna Gora (ibidem, p. 614).

5) De Lubac, op. cit. pp. 237-238, n. 5.

6) Estas e as seguintes notas biográficas são retiradas da Enciclopedia Cattolica, op. cit. VIII, col. 964-965, voz Mickiewicz.

7) Cf. Buttiglione, op. cit., p. 1. Para o texto da Encíclica, ver Enchiridion delle Encicliche, Dehoniana, Bolonha 1996, vol. II, nos. 16-23.

8) H. de Lubac, op. cit., p. 1. p. 265, n. 2, onde M. é comparado com Maurice Blondel, Pierre Teilhard de Chardin e Hans Urs Von Balthasar.

9) W. Godlewski, Les Pélerins de l'avenir, Mickiewski e Lamennais. Revue des sciences humaines, 1955; cf. H. de Lubac, op. cit. p. 240.

10) Sobre Napoleão como Messias dos Judeus, ver A. Baletti, Gli Ebrei e gli Estensi, Forni [1930] 1827, p. 241. Sobre o mito de Napoleão, que retoma o mito mais antigo do "grande imperador", cf. de Lubac, op. cit. pp. 255-257; e também G. Vannoni, Le società segrete, Sansoni, Firenze 1985, pp. 165-170. Para os revolucionários polacos havia uma razão adicional para venerar Napoleão: eles viram nele aquele que tinha (provisoriamente) "libertado" a Polónia dos russos.

11) Enciclopedia Cattolica, op. cit. XII, col. 394, voz Towianski.

12) "No meio da luta toca Deus/ Um enorme sino/ Para um Papa eslavo/ Ele preparou um trono.../ Atenção, o Papa eslavo está chegando/ Um irmão do povo" (citado por Buttiglione, op. cit., p. 34).

13) E. Rosa, Una fonte ignorata del modernismo di Antonio Fogazzaro, in Civiltà Cattolica, 1912, III, pp. 3-18; 1913, IV, p. 557 ss. Towianski tinha discípulos na Itália, especialmente em Turim. Sobre estes discípulos, cf. Annamaria Sani, Tra modernismo e pacifismo. Il carteggio Favero-Colombo, in Contributi e documenti di storia religiosa - Quaderni del Centro Studi 'C. Trabucco', no. 19. Trabucco', no. 19/1993, Turim, pp. 39-68. Havia até um bispo Towianskist, D. Luigi Puecher Passavalli (1820-1897) (e um simpatizante, D. Bonomelli), e todos os Towianskists eram ecumenistas, colaborando inclusive com o pastor Waldensiano e maçon Ugo Ianni (1865-1938), que tirou de Towianski a teoria da metempsicose (cf. D. Bonomelli). C. Milaneschi, Ugo Ianni, pioniere dell'ecumenismo, Claudiana, Turim 1979, p. 113 e M. Moramarco, Nuova enciclopedia massonica, Bastogi, Foggia 1997, II, pp. 30-33). Outro seguidor de Towianski foi o patriota Mazziniano Scovazzi, que revelou o busto de Mickiewicz no Capitólio, em 1879. Há também um livro sobre Towianski na Itália que eu não pude consultar: A. Zussini, Andrey (sic) Towianski. Un riformatore polacco in Italia, Dehoniana, Bologna 1970.

14) Cf. de Lubac, op. cit., p. 1. Entre outros "novos montanistas" estava também Luís XVII, chamado Charles-Guillaume Naundorff († 1845); ele fundou uma igreja "católica e evangélica", pela qual foi condenado por Gregório XVI.

15) M. escreve: "No entanto, digamo-lo claramente, não se trata nem de reformas, nem de inovações, nem de revoluções religiosas, mas de uma nova manifestação do espírito cristão é esperada. A borboleta que, ao nascer de um sol de primavera, sobe ao céu, não é uma crisálida reformada, passada ou renovada; é sempre o mesmo ser, mas elevada a um segundo poder de vida; é uma crisálida transfigurada. O espírito cristão está prestes a sair da Igreja Católica; apenas o clero oficial não tem luz e calor suficientes para o fazer nascer.... "O Vaticano II não foi "a primavera da Igreja" e o seu "novo Pentecostes"?

16) M. não é o único revolucionário a ampliar o espírito profético do contra-revolucionário de Maistre ou a ter sido influenciado por ele: basta citar Saint-Simon e Enfantin (de Lubac, pp. 26-27 e 33); Comte (p. 32); Lammenais (p. 51); Buchez (p. 114); Laverdant (p. 300); o ocultista Abade Constant, vulgo Eliphas Levi (p. 325); Vintras, outro ocultista (p. 330); o citado Ciezszkowski, um amigo de M.., para quem de Maistre é "o último dos grandes doutores da Igreja" (p. 387); Tchaadaev (p. 397). E uma pessoa fica perplexa com a admiração que tinha por Baudelaire, o autor de Les fleures du mal. É verdade que um autor não é responsável pelos erros daqueles que admira, mas o leitor encontrará a base para esta estranha admiração no artigo do Padre Nitoglia a ser publicado no próximo número.

17) A longa citação, que tive que cortar, é puramente de Péguy, como aponta de Lubac. Péguy era um admirador de M.

18) De Lubac transcreve as partes essenciais nas pp. 458-463. Eu resumo de Lubac na p. 270.

19) A veneração de São João nas lojas maçônicas, ao contrário de São Pedro, como modelo de uma Igreja mística e espiritual, é bem conhecida. "Joaquim de Fiore colocou o amado Apóstolo de Jesus acima de todos os outros santos. Aplicou-lhe a frase do salmista: "Não sofrereis que o vosso santo seja corrompido". Como o da mãe de Jesus, o corpo de João também não tinha sido enterrado (...) Sem reter habitualmente este aspecto, a posteridade de Joaquim de Fiore fazia, como vimos, uma referência constante a São João. Assim Krasinski também se volta para ele em sua "Noite de Natal", para confiar-lhe a herança de Pedro, e será notado que em seu relato "o mais velho dos anciãos" é Pedro; enquanto João, "o homem vestido de roxo", aparece como um jovem chefe, mestre do futuro. Também na Maçonaria, à qual pertencem muitas personagens que formaram o tecido da nossa história desde o século XVIII, S. João ocupa frequentemente um lugar de honra" (de Lubac, op. cit., p. 1). pp. 283-284, explica nas páginas seguintes o papel que a Maçonaria atribui a São João). Existe hoje uma tendência semelhante entre certos "tradicionalistas", que esperam o retorno de São João, sempre vivo segundo eles, para resolver a "crise da Igreja"!

20) Pode ser útil comparar esta citação de M. com as palavras finais de Joseph de Maistre's Du Pape.

21) Sobre as Filaletes, Maçonaria com tendência ocultista-martinista, cf. A. Barruel, Mémoires pour servir à l'histoire du jacobinisme (1818), D.P.F, Chiré 1973, vol. II, pp. 314, 318, 414; A. Mackey, Encyclopedia of Freemasonry, revisada e corrigida ed. 1953, Masonic History Company, Chicago, vol. II, p. 771; L. Troisi, Dizionario Massonico, Bastogi, pp. 166-167; A. Mellor, Dictionnaire de la Franc-maçonnerie et des francs-maçons, Belfond, 1971-1979, p. 184; Moramarco, op. cit., pp. 166-167; A. Mellor, Dictionnaire de la Franc-maçonnerie et des francs-maçons, Belfond, 1971-1979, p. 184; Moramarco, op. cit., p. 184. I, vol. I, p. 373, segundo o qual as lojas dissolvidas de Martinez de Pasqually se fundiram nas Philalets; N. Berberova, Les Francs-maçons russes du XXème siècle, Noir sur blanc/Actes sud, 1990, p. 24, que nos conta como as lojas dissolvidas de Martinez de Pasqually se fundiram nas Philalets, Noir sur blanc/Actes sud, 1990, p. 24. 24, que nos diz como para a Filaletas russa "as manifestações do além eram a sua principal ocupação": um ponto em comum com Towianski e Mickiewicz, que estavam muito ocupados no diálogo com os Espíritos (cf., por exemplo, de Lubac, pp. 262, 250, etc.). Quanto a M., esta ideia já se encontra na sua obra-prima Dziady [The Ancestors] de 1821-1822).

22) Berberova, op. cit., pp. Mackey (op. cit., vol. 2, pp. 893-894), que reconhece a afiliação maçônica dos Decabristas, escreve que já em 1º de agosto de 1822, Alexandre I, preocupado com a situação polonesa, havia dissolvido todas as sociedades secretas.

23) Enciclopédia Italiana (Treccani), voz Mickiewicz.

24) Jacob Böhme (1575-1624), um dos maiores kabbalistas "cristãos" (ele era protestante). Percorrendo os séculos XVIII e XIX, os seus escritos tornaram-se a principal fonte de inspiração para a Maçonaria "mística" e romântica. Julio Meinvielle, De la Cabala al progresismo, Ed. Epheta, Buenos Aires, 1970; edição italiana de E. Innocenti, Influencia del gnosticismo judaico en el ambiente cristiano, Roma, 1988, pp. 177-184; e de Lubac, op. cit. I, vol. I, pp. 218-225. Böhme é um defensor da teoria do elemento feminino na divindade, como mais tarde Soloviev e... João Paulo II.

25) Sobre Louis-Claude de Saint-Martin (1743-1803), o "filósofo desconhecido", não me deterei muito, pois o Padre Nitoglia fala dele exaustivamente no seu artigo "Joseph de Maistre esoteric? Os dois "mestres" de Saint-Martin, Martinez de Pasqually e Böhme (que foi iniciado por Madame Boeklin), ambos nos conduzem à Cabala.

26) De Lubac escreve em uma nota: "Le Voile d'Isis [a revista na qual René Guénon escreveu] publicou em abril de 1930, no. 124, pp. 269-286, várias passagens de M., sob o título: 'O Sistema de Jacob Böhme'". M. fez estadias em Dresden por volta de 1829-30, e depois em 1832. Por ocasião de sua primeira estada, M. também foi para Weimar, onde fez amizade com o poeta (Rosacruz e antiga Iluminação bávara!) Goethe (cf. de Lubac, p. 248).

27) Emmanuel Swedenborg, chamado "o mágico do norte" (1668-1722). Como Towianski e M., e mais do que eles, Swedenborg "falava" diariamente com "anjos", espíritos e "os mortos". "Desde o dia seguinte à sua morte, numerosas Lojas adoptaram-no, tais como, em Paris, a Loja dos 'Amigos Reunidos', depois o 'Regime dos Filaletes' ou 'Procuradores da Verdade'. Sua doutrina foi misturada com as de Böhme, Martinez de Pasqually e outros" (de Lubac, vol. I, p. 263).

28) Naturalmente, M. dá grande valor à "tradição": "Não há religião sem uma instituição para mantê-la; não há instituição verdadeiramente viva sem tradição". Ou seja, sem uma série de homens que 'fazem comércio', que transmitem a verdade de mão em mão". "O Espírito dá vida e obra à Igreja através da tradição" (citado por de Lubac, pp. 263-265). Mas de que tradição está ele a falar?

29) Cf. de Lubac, op. cit., p. 1. Cf. Encyclopedia Judaica, Macmillan, New York-Jerusalem 1971, vol. VII, col. 1501, voz M. Em meio aos acontecimentos convulsivos da revolução de 1848, o "Símbolo" de M. obteve até a autorização da censura eclesiástica graças ao Padre Ventura (1792-1861), também discípulo tradicionalista de Lamenais, que no mesmo ano viu seu nome terminar no Índice junto com o de M. Então, em 1849, Ventura juntou-se à República Romana de Mazzini, passando assim da "Contra-Revolução" de Maistre e Bonald, seus primeiros professores, à "Revolução" liberal e democrática de Lammenais.

30) De fato, não esqueçamos que Israel estava então sob domínio turco. A intervenção da brigada judaico-polaca do lado da Turquia contra a Rússia poderia ter conseguido uma certa forma de cessão da Palestina aos judeus por parte dos turcos.

31) R. Buttiglione, op. cit., pp. p. 39, nota 8.

32) Pianista famoso, cantado por Goethe, que se apaixonou por ela e sua irmã Casimira. As duas irmãs chamavam-se Wolowski e eram netas de Shlomo Schorr, baptizada Wolowski ("boi" em hebraico é curto, e em polaco é lobo), assistente de Frank. Maria Wolowska casa com outro Frankista, Joseph Szymanowski, um general napoleônico (Mandel, p. 98); eles são sogros de M. (Mandel, p. 151). Os dois irmãos Schorr-Wolowski (Franz Shlomo e Michael Nuta) eram os membros mais antigos da seita (Mandel, p. 160) e filhos do rabino Elisha Schorr. "Questionados por um tribunal rabínico, alguns Frankistas admitiram ter relações sexuais com mulheres casadas na presença e com a permissão de seus maridos, enquanto outros confessaram ter relações incestuosas. Um exemplo probatório, muito antes da aparição de Frank, foi a família do rabino Rohatyn, Elisha Schorr; cuja filha Hanna, uma espécie de sacerdotisa Frankista, recitou em estado de exaltação sexual passagens inteiras da Zohar, a Bíblia Cabalística" (Mandel, p. 56).

33) A. Mandel, Il Messia militante, Arché, Milão 1984, pp. 151-152. As fontes do Mandel sobre as relações do M. com o Frankismo são: Mieses, Polacy-Chrzescijanie pochodzenia zydowskiego (Cristãos Polacos de Ascendência Judaica), vol. II, p. 119 f.; Duker, Some cabbalistic and frankist elements in Mickiewicz' Dziady, in Studies in Polish Civilsation, 1966, p. 213 f.; Scheps, Adam Mickiewicz, ses affinités juives.

34) A. Mandel, op. cit., pp. p. 86.

35) Sabbatai Zevi foi particularmente bem sucedido entre os Marranos hispano-portugueses. Sobre este assunto cf. Yosef Hayim Yerushalmi, Dalla corte al ghetto. La vita, le opere, le peregrinazioni del marrano Cardoso nell'Europa del Seicento; Garzanti, Milão, 1991, capítulo VII. O autor também vê uma correlação entre Sabatismo e Sebastianismo (pp. 273-276). Segundo esta última forma de messianismo (Pessoa era um seguidor), o rei português Sebastião, que morreu em 1578, voltaria para salvar o seu povo do domínio da coroa espanhola. Foi o português Marranos que manteve esta lenda, apoiado pelo "apóstolo do Brasil", o jesuíta Antonio Vieira, que em 1666 anunciou o retorno de Sebastião no mesmo ano (p. 273). Amigo dos Marranos e inimigo da Inquisição, Vieira foi preso por três anos pela Inquisição (1665-1667) (cf. C. Roth, Histoire des Marranes, Liana Levi, 1992, pp. 271-275). A semelhança entre o messianismo nacional português e o polaco é impressionante; ambos os tipos de messianismo vieram do judaísmo, que desempenhou um papel importante em Portugal (recorde-se que a independência da Espanha, obtida em 1640 com a dinastia Bragança, foi obra de Marrano (cf. Roth, op. cit., pp. 86 e 269).

36) A. Mandel, op. cit., pp. p. 99.

37) A. Mandel, op. cit., pp. p. 103.

38) A. Mandel, op. cit., pp. p. 107.

39) A. Mandel, op. cit., pp. pp. 126-127. Sobre a ordem dos "Irmãos da Ásia" ou "Irmãos de São João Evangelista da Ásia na Europa", ver também: Jacob Katz, Juifs et franc-maçon en Europe, Cerf, Paris 1995, pp. 49-94.

40) A. Mandel, op. cit., pp. p. 156.

41) Katz, op. cit. p. 63.

42) "Gershom Scholem considera Frey como uma personalidade incomum e um verdadeiro Frankista: metade judeu e metade cristão; metade cabalista e metade reformador; metade jacobino e metade espião, ele caiu vítima de suas próprias maquinações e levou seu segredo para o túmulo" (A. Mandel, op. cit., p. 210).

43) A. Mandel, op. cit., pp. pp. 161-163.

44) A. Mandel, op. cit., pp. p. 66 e 98-99.

45) G. Scholem, Le messianisme juif, Calmann-Lévy, 1974.

46) A. Mandel, op. cit., pp. p. 85.

47) Cf. Meinvielle, op. cit., pp. I; E. Peterson, Origens da Gnose, na Encyclopaedia Cattolica, vol. VI, col. 879-882, Gnose.

48) A este respeito, ver o livro de Gianfranco Svidercoschi, Lettera a un amico ebreo. La storia semplice e straordinaria dell'amico ebreo di Karol Wojtyla, Mondadori, Milão 1993. O texto de Mickiewicz sobre os "irmãos mais velhos" judeus é citado na p. 32.

49) João Paulo II com Vittorio Messori, Varcare la soglia della speranza, Mondadori, Milão 1994, pp. 111-112.












Comentários


bottom of page