top of page

Lamentabili

Constituição apostólica sobre um programa de erros que condenam o modernismo, apresentada em 3 de julho de 1907

Pelo Papa São Pio X


Com resultados verdadeiramente lamentáveis, nossa época, deixando de lado todas as restrições em sua busca pelas causas últimas das coisas, freqüentemente busca novidades com tanto ardor que rejeita o legado da raça humana. Assim, cai em erros gravíssimos, que são ainda mais graves quando dizem respeito à autoridade sagrada, à interpretação da Sagrada Escritura e aos principais mistérios da fé. O fato de muitos escritores católicos também ultrapassarem os limites determinados pelos Padres e pela própria Igreja é extremamente lamentável. Em nome do conhecimento superior e da pesquisa histórica (dizem eles), procuram aquele progresso dos dogmas que, na realidade, nada mais é do que a corrupção dos dogmas.

Esses erros estão sendo espalhados diariamente entre os fiéis. Para que não cativem as mentes dos fiéis e corrompam a pureza de sua fé, Sua Santidade, Pio X, pela Divina Providência, Papa, decidiu que os principais erros devem ser notados e condenados pelo Ofício desta Santa Inquisição Romana e Universal.

Portanto, após uma investigação muito diligente e consulta aos Reverendos Consultores, Eminentes e Reverendos Lordes Cardeais, os Inquisidores Gerais em questões de fé e moral julgaram as seguintes proposições condenadas e proscritas. Na verdade, por este decreto geral, eles são condenados e proscritos.

1. A lei eclesiástica que prescreve que os livros concernentes às Escrituras Divinas estão sujeitos a exame prévio não se aplica a estudiosos críticos e estudantes de exegese científica do Antigo e Novo Testamento.


2. A interpretação da Igreja dos Livros Sagrados não deve ser rejeitada de forma alguma; no entanto, está sujeito ao julgamento e correção mais precisos dos exegetas.


3. Dos julgamentos e censuras eclesiásticas proferidos contra a exegese livre e mais científica, pode-se concluir que a fé que a Igreja propõe contradiz a história e que o ensinamento católico não pode realmente ser reconciliado com as verdadeiras origens da religião cristã.


4. Mesmo por definições dogmáticas, o magistério da Igreja não pode determinar o sentido genuíno das Sagradas Escrituras.


5. Visto que o depósito da fé contém apenas verdades reveladas, a Igreja não tem o direito de julgar as afirmações das ciências humanas.

6. O “ensino da Igreja” e o “ensino da Igreja” colaboram de tal forma na definição das verdades que só resta ao “ensino da Igreja” sancionar as opiniões do “ensino da Igreja”.

7. Ao proscrever os erros, a Igreja não pode exigir dos fiéis qualquer assentimento interno, pelo qual os julgamentos por ela proferidos sejam aceitos.


8. Estão isentos de qualquer culpa os que tratam levianamente as condenações proferidas pela Sagrada Congregação do Índice ou pelas Congregações Romanas.


9. Excessiva simplicidade ou ignorância acreditam que Deus é realmente o autor das Sagradas Escrituras. 10. A inspiração dos livros do Antigo Testamento consiste no seguinte: Os escritores israelitas transmitiram as doutrinas religiosas sob um aspecto peculiar que era pouco ou nada conhecido pelos gentios.

11. A inspiração divina não se estende a todas as Sagradas Escrituras, de modo que torna as suas partes, todas e cada uma, isentas de todo erro.


12. Se ele deseja aplicar-se com utilidade aos estudos bíblicos, o exegeta deve primeiro deixar de lado todas as opiniões preconcebidas sobre a origem sobrenatural da Sagrada Escritura e interpretá-la como qualquer outro documento meramente humano.


13. Os próprios evangelistas, bem como os cristãos da segunda e terceira geração, arranjaram artificialmente as parábolas evangélicas. Assim explicaram os escassos frutos da pregação de Cristo entre os judeus.


14. Em muitas narrações, os evangelistas registraram, não tanto coisas que são verdadeiras, mas coisas que, embora falsas, eles julgaram ser mais proveitosas para seus leitores.


15. Até o momento em que o cânon foi definido e constituído, os Evangelhos foram aumentados por acréscimos e correções. Portanto, restou neles apenas um tênue e incerto traço da doutrina de Cristo.


16. As narrações de João não são propriamente história, mas uma contemplação mística do Evangelho. Os discursos contidos em seu Evangelho são meditações teológicas, carentes de verdade histórica sobre o mistério da salvação.


17. O quarto Evangelho exagerava os milagres não só para que o extraordinário se destacasse, mas também para que se tornasse mais adequado para mostrar a obra e a glória do Verbo Incarnado.


18. João reivindica para si mesmo a qualidade de testemunha a respeito de Cristo. Na realidade, porém, ele é apenas uma testemunha distinta da vida cristã, ou da vida de Cristo na Igreja no final do primeiro século.

19. Os exegetas heterodoxos expressaram o verdadeiro sentido das Escrituras com mais fidelidade do que os exegetas católicos.


20. A revelação nada mais poderia ser do que a consciência que o homem adquiriu de sua revelação a Deus.


21. A revelação, que constitui o objeto da fé católica, não foi completada com os apóstolos.


22. Os dogmas que a Igreja afirma como revelados não são verdades que caíram do céu. Eles são uma interpretação de fatos religiosos que a mente humana adquiriu por meio de laboriosos esforços.


23. Pode haver oposição, e de fato existe, entre os fatos narrados na Sagrada Escritura e os dogmas da Igreja que neles se apóiam. Assim, o crítico pode rejeitar como falsos fatos que a Igreja considera os mais certos.


24. O exegeta que constrói premissas das quais se segue que os dogmas são historicamente falsos ou duvidosos não deve ser reprovado, desde que não negue diretamente os próprios dogmas.


25. O assentimento da fé, em última análise, repousa sobre uma massa de probabilidades.


26. Os dogmas da fé devem ser mantidos apenas de acordo com seu sentido prático; isto é, como normas preceptivas de conduta e não como normas de crença.


27. A divindade de Jesus Cristo não é provada nos Evangelhos. É um dogma que a consciência cristã derivou da noção do Messias.


28. Enquanto exercia Seu ministério, Jesus não falou com o objetivo de ensinar que era o Messias, nem Seus milagres tendiam a prová-lo.


29. É permitido admitir que o Cristo da história é muito inferior ao Cristo que é o objeto da fé.

30 Em todos os textos evangélicos, o nome “Filho de Deus” é equivalente apenas ao de “Messias”. Não significa de forma alguma que Cristo é o verdadeiro e natural Filho de Deus.


31. A doutrina a respeito de Cristo ensinada por Paulo, João e os Concílios de Nicéia, Éfeso e Calcedônia não é aquela que Jesus ensinou, mas aquela que a consciência cristã concebeu a respeito de Jesus.


32. É impossível conciliar o sentido natural dos textos evangélicos com o sentido ensinado por nossos teólogos sobre a consciência e o conhecimento infalível de Jesus Cristo.


33. Todo aquele que não é guiado por opiniões preconcebidas pode prontamente ver que ou Jesus professou um erro a respeito da vinda messiânica imediata ou a maior parte de Sua doutrina contida nos Evangelhos é destituída de autenticidade.


34. Os críticos podem atribuir a Cristo um conhecimento sem limites apenas sobre uma hipótese que não pode ser concebida historicamente e que é repugnante para o sentido moral. Essa hipótese é que Cristo, como homem, possuía o conhecimento de Deus, mas não estava disposto a comunicar o conhecimento de muitas coisas a Seus discípulos e à posteridade.


35. Cristo nem sempre teve consciência de sua dignidade messiânica.


36. A Ressurreição do Salvador não é propriamente um fato da ordem histórica. É um fato meramente de ordem sobrenatural (nem demonstrado nem demonstrável) que a consciência cristã gradualmente derivou de outros fatos.


37. No início, a fé na Ressurreição de Cristo não estava tanto no próprio fato da Ressurreição, mas na vida imortal de Cristo com Deus.


38. A doutrina da morte expiatória de Cristo é paulina e não evangélica.


39. As opiniões sobre a origem dos sacramentos que os Padres de Trento sustentaram e que certamente influenciaram seus cânones dogmáticos são muito diferentes das que agora existem com razão entre os historiadores que examinam o Cristianismo.


40. Os Sacramentos têm a sua origem no facto de os Apóstolos e seus sucessores, influenciados e movidos pelas circunstâncias e acontecimentos, interpretarem alguma ideia e intenção de Cristo.


41. Os sacramentos destinam-se apenas a relembrar à mente do homem a presença sempre benéfica do Criador.


42. A comunidade cristã impôs a necessidade do Baptismo, adoptou-o como rito necessário e acrescentou-lhe a obrigação da profissão cristã.


43. A prática de administrar o Baptismo às crianças foi uma evolução disciplinar, que se tornou uma das causas da divisão do Sacramento em dois, nomeadamente, o Baptismo e a Penitência.


44. Não há nada que prove que o rito do Sacramento da Confirmação foi empregado pelos Apóstolos. A distinção formal dos dois sacramentos do Batismo e da Confirmação não pertence à história do Cristianismo primitivo.


45. Nem tudo o que Paulo narra sobre a instituição da Eucaristia (I Cor. 11: 23-25) deve ser tomado historicamente.


46. ​​Na Igreja primitiva não existia o conceito de pecador cristão reconciliado pela autoridade da Igreja. Só muito lentamente a Igreja se acostumou a esse conceito. Na verdade, mesmo depois que a Penitência foi reconhecida como uma instituição da Igreja, ela não foi chamada de Sacramento, pois seria considerada um sacramento vergonhoso.


47. As palavras do Senhor: “Recebe o Espírito Santo; cujos pecados você deve perdoar, eles estão perdoados; e de quem retereis os pecados, eles são retidos ”(Jo 20,22-23), de forma alguma se referem ao Sacramento da Penitência, apesar do que aprouve aos Padres de Trento dizer.


48. Em sua epístola (cap. 5: 14-15), Tiago não pretendia promulgar um sacramento de Cristo, mas apenas recomendar um costume piedoso. Se neste costume ele distingue um meio de graça, não é daquela maneira rigorosa em que foi tomado pelos teólogos que estabeleceram a noção e o número dos sacramentos.


49. Quando a ceia cristã assumiu gradualmente o caráter de ação litúrgica, os que habitualmente presidiam a ceia adquiriram o caráter sacerdotal.


50. Os presbíteros que cumpriam a função de zelar pelas reuniões dos fiéis foram instituídos pelos apóstolos como sacerdotes ou bispos para providenciar a necessária ordenação das comunidades crescentes e não propriamente para a perpetuação da missão e do poder apostólico.


51. É impossível que o Matrimônio pudesse ter se tornado um Sacramento da nova lei até mais tarde na Igreja, uma vez que era necessário que uma explicação teológica completa da doutrina da graça e dos Sacramentos ocorresse primeiro antes que o Matrimônio fosse celebrado como um Sacramento. .


52. Estava longe da mente de Cristo fundar uma Igreja como uma sociedade que continuaria na terra por um longo curso de séculos. Pelo contrário, na mente de Cristo, o reino dos céus junto com o fim do mundo estava para vir imediatamente.


53. A constituição orgânica da Igreja não é imutável. Como a sociedade humana, a sociedade cristã está sujeita a uma evolução perpétua.


54. Dogmas, sacramentos e hierarquia, sua noção e realidade, são apenas interpretações e evoluções da inteligência cristã que aumentaram e aperfeiçoaram por uma série externa de acréscimos o pequeno germe latente no Evangelho.


55. Simão Pedro nunca suspeitou que Cristo lhe tivesse confiado o primado da Igreja.


56. A Igreja Romana tornou-se o cabeça de todas as igrejas, não por meio da ordenança da Providência Divina, mas meramente por meio de condições políticas.


57. A Igreja demonstrou ser hostil ao progresso das ciências naturais e teológicas.


58. A verdade não é mais imutável do que o próprio homem, pois evoluiu com ele, nele e por meio dele.


59. Cristo não ensinou um determinado corpo de doutrina aplicável a todos os tempos e todos os homens, mas antes inaugurou um movimento religioso adaptado ou a ser adaptado a diferentes tempos e lugares.


60. A Doutrina Cristã era originalmente judaica. Por sucessivas evoluções, tornou-se primeiro paulino, depois joanino, finalmente helênico e universal.


61. Pode-se dizer sem paradoxo que não há nenhum capítulo da Escritura, do primeiro do Gênesis ao último do Apocalipse, que contenha uma doutrina absolutamente idêntica àquela que a Igreja ensina sobre o mesmo assunto. Pela mesma razão, portanto, nenhum capítulo da Escritura tem o mesmo sentido para o crítico e o teólogo.


62. Os principais artigos do Credo dos Apóstolos não tinham o mesmo sentido para os cristãos dos primeiros tempos como têm para os cristãos de nosso tempo.


63. A Igreja mostra-se incapaz de manter com eficácia a ética evangélica, pois se apega obstinadamente a doutrinas imutáveis ​​que não se harmonizam com o progresso moderno.


64. O progresso científico exige que os conceitos da doutrina cristã a respeito de Deus, da criação, da revelação, da Pessoa do Verbo Encarnado e da Redenção sejam reajustados.


65. O catolicismo moderno só pode ser reconciliado com a ciência verdadeira se for transformado em um cristianismo não dogmático; isto é, em um protestantismo amplo e liberal.


Na quinta-feira seguinte, o quarto dia do mesmo mês e ano, todos esses assuntos foram relatados com precisão ao nosso Santíssimo Senhor, Papa Pio X. Sua Santidade aprovou e confirmou o decreto dos Padres Eminentes e ordenou que todos e cada um dos as proposições listadas acima devem ser consideradas por todos como condenadas e proscritas.


Atestado por Peter Palombelli, Tabelião do Sacro Império Romano e da Inquisição Universal.



bottom of page