top of page

Um santo no céu: In Memoriam Pe. Réginald Garrigou-Lagrange, OP (1877-1964)


Grandes santos, grandes eventos, grandes privilégios, como as montanhas eternas, crescem à medida que nos afastamos deles. À medida que deixamos para trás o século XX, torna-se mais fácil para nós ver quem realmente eram os grandes homens daquela época dentro da Igreja, e qualquer lista de tais homens incluiria certamente o teólogo dominicano francês, Réginald Garrigou-Lagrange. As obras do Padre Garrigou-Lagrange teriam sido outrora altamente estimadas tanto por seminaristas como por teólogos; depois do Concílio Vaticano II, caíram em grande parte no esquecimento.


Então, quem era este homem, descrito rudemente pelo romancista François Mauriac como “aquele monstro sagrado do tomismo”, mas pelo Papa Paulo VI como “este ilustre teólogo, fiel servidor da Igreja e da Santa Sé”?


Verdade absoluta

Gontran-Marie Garrigou-Lagrange nasceu em 1877 em uma sólida família católica que vivia no sudoeste da França. Em 1896 começou a estudar medicina na Universidade de Bordéus, mas lá leu um livro do filósofo católico Ernest Hello que mudou o rumo da sua vida. Anos mais tarde, o Padre Garrigou descreveu a impressão que este livro lhe causou: “Vi como a doutrina da Igreja Católica é a Verdade absoluta sobre Deus, sobre a sua vida interior, e sobre o homem, as suas origens e o seu destino sobrenatural. Num instante, vi como esta doutrina não é simplesmente ‘o melhor que podemos apresentar com base no nosso conhecimento atual’, mas a verdade absoluta que não passará...”


A esta intuição o jovem universitário permaneceria fiel durante os restantes sessenta e oito anos da sua vida.


Abandonados os estudos médicos, Gontran-Marie ingressou nos dominicanos franceses aos vinte anos e recebeu o nome religioso de Réginald. (O Bem-aventurado Réginald de Orleans foi contemporâneo de São Domingos: Nossa Senhora apareceu-lhe numa visão, curou-o de uma doença mortal e deu-lhe um escapulário branco que passou a fazer parte do hábito dominicano.) Frei Réginald teve a sorte receber sua formação inicial de dominicanos comprometidos com a implementação da carta encíclica Aeterni Patris do Papa Leão XIII, o documento que insistia no lugar único de Santo Tomás de Aquino na filosofia e na teologia. Foi estudando o Doutor Angélico que o jovem Réginald Garrigou-Lagrange alimentou a convicção que o trouxe ao claustro: a imutabilidade da verdade revelada.


Os seus superiores perceberam claramente as suas capacidades, pois depois da ordenação em 1902, o Padre Réginald foi matriculado para estudos filosóficos adicionais na Sorbonne, em Paris. Foi um sinal da confiança que os seus superiores depositaram nele o facto de ter sido enviado para um ambiente tão agressivamente secular quando ainda era um jovem sacerdote. Entre seus palestrantes estavam Henri Bergson, Emile Durkheim e o ainda não excomungado Alfred Loïsy, “pai do Modernismo”. Entre os seus colegas estudantes incluía-se o futuro filósofo Jacques Maritain, ainda não católico e, na verdade, levado quase ao desespero pelo niilismo prevalecente na grande universidade francesa. As relações do Padre Garrigou com Maritain seriam mais tarde frutíferas e conturbadas.


Em 1906, o Padre Réginald foi designado para lecionar filosofia em Le Saulchoir, a casa de estudos dos dominicanos franceses. A sua habilidade pedagógica era tal que em 1909, aos trinta e dois anos, foi enviado para lecionar na Universidade Dominicana de Roma, a Angelicum. Aqui ele permaneceu pelos cinquenta anos seguintes, ministrando três cursos: Aristóteles, Apologética e Teologia Ascética e Mística. Ele tinha o dom de esclarecer os assuntos mais difíceis e de mostrar como a filosofia sólida e a verdade revelada se encaixavam numa harmonia maravilhosa. O Padre Garrigou adorava claramente o seu trabalho: um dos seus alunos lembrou-se dele exclamando: "Eu poderia ensinar Aristóteles durante trezentos anos e nunca me cansar!" Ele também possuía o que talvez seja o dom mais raro de comunicar aos seus ouvintes seu próprio entusiasmo por um assunto, pois suas palestras, por mais abstratas que fossem, não eram enfadonhas. Um aluno pinta este retrato da palestra do Padre Garrigou: “Seus olhinhos estavam cheios de travessura e riso, seu corpo se movia constantemente, seu rosto era capaz de assumir atitudes de horror, raiva, ironia, indignação e espanto”.


O vigia

Réginald Garrigou-Lagrange era por natureza e convicção um polêmico. Ele acreditava que a tarefa do teólogo não era simplesmente ensinar a doutrina católica, mas também ser, na expressão bíblica, um vigia, em guarda contra tudo o que pudesse prejudicá-la. No espírito de São Pio X e da sua encíclica  Pascendi, publicada em 1907, o Padre Garrigou considerava que a maior ameaça à fé católica era o que se chama “Modernismo” – aquele esforço confuso, feito às vezes com boas intenções e às vezes com más intenções, para 'reinterpretar' as doutrinas católicas de acordo com as tendências predominantes na história, na filosofia e nas ciências naturais. Ele entrou no combate contra o Modernismo com vigor, atacando não as pessoas, mas os erros, e desejando conduzir os que estavam errados de volta à verdade integral da Fé Católica.


Dois dos 'grandes nomes' da época com quem Garrigou-Lagrange cruzou espadas desde o início foram seu ex-professor Henri Bergson e Maurice Blondel. Bergson, agora quase esquecido, era então um filósofo judeu muito célebre que parecia a muitos católicos um aliado útil na luta contra o materialismo. O Padre Garrigou mostrou que os escritos de Bergson eram incompatíveis com a crença católica de que através dos nossos conceitos podemos compreender a natureza imutável das coisas e, assim, formar dogmas que nunca precisarão de ser revistos. No final, Bergson foi levado, em parte pelos esforços de Garrigou, até as"bordas" da Igreja Católica, embora tenha morrido sem ser batizado.


Blondel foi outro "filósofo católico" amplamente louvado. A sua explicação de como só o Cristianismo poderia satisfazer os anseios humanos mais profundos, comprometeu o que é chamado “a ordem sobrenatural”: o fato de Deus, através da graça santificante e do dom do Espírito Santo, nos elevar infinitamente além de qualquer coisa que a nossa própria natureza exija. Para o Padre Garrigou, a distinção entre as ordens natural e sobrenatural estava na essência do cristianismo – ele adorava citar uma frase de Santo Tomás de Aquino, de que “a menor quantidade de graça numa pessoa é maior do que toda a criação”. Uma criança com alma batizada tem mais valor do que todas as hierarquias angélicas, naturalmente consideradas. Foi porque as ideias de Blondel ameaçaram minar esta distinção que Garrigou-Lagrange lhes resistiu. Ao fazê-lo, antecipou o ensinamento que o Papa Pio XII publicaria mais tarde na encíclica  Humani Generis.


Na sua defesa da doutrina católica segundo os princípios de Santo Tomás, o Padre Garrigou foi grandemente auxiliado por Jacques Maritain. Maritain, originário de uma família marcadamente anticlerical, ingressou na Igreja em 1906 e se tornaria o mais brilhante filósofo tomista do século XX, morrendo em 1973. Entre as duas guerras, Garrigou-Lagrange e Maritain organizaram os 'Círculos de Estudo Tomistas'. Eram grupos de leigos comprometidos com a vida espiritual que estudavam Santo Tomás e a tradição tomista, e que se reuniam uma vez por ano para um retiro de cinco dias pregado pelo Padre Garrigou na casa dos Maritains em Meudon. Os círculos de estudo tiveram grande sucesso e Meudon tornou-se um viveiro de vocações. O jovem Yves Congar, que mais tarde escreveria com certa amargura sobre Garrigou-Lagrange, esteve presente em alguns dos retiros pregados pelo frade dominicano em Meudon, e mais tarde recordou: "Ele causou-me uma profunda impressão. Alguns dos seus sermões encheram-me de entusiasmo e muito me satisfizeram pela sua clareza, pelo seu rigor, pela sua amplitude e pelo seu espírito de fé."


Ao longo deste período, a reputação de Garrigou-Lagrange cresceu e tornou-se internacional. Suas palestras no Angelicum sobre a vida espiritual foram particularmente procuradas. Segundo um autor, eles se tornaram "um dos locais turísticos não oficiais para visitantes de mentalidade teológica em Roma", atraindo estudantes de outras universidades e até padres experientes que desejavam aprender mais sobre direção espiritual. (O próprio Padre Garrigou era um diretor espiritual muito procurado, valorizado igualmente pelo seu conhecimento, pela sua firmeza e pela sua compaixão.)


Chamado à santidade

Talvez seja neste campo da teologia ascética e mística que o trabalho mais original de Garrigou foi realizado. Já em 1917, uma cátedra especial em “teologia ascética e mística” foi criada para ele no Angelicum, a primeira desse tipo em qualquer lugar do mundo. A sua grande conquista foi sintetizar os escritos altamente abstratos de Santo Tomás de Aquino com os escritos “experimentais” de São João da Cruz, mostrando como eles estão em perfeita harmonia entre si. Um descreve a vida espiritual do ponto de vista, por assim dizer, de Deus, analisando as múltiplas graças que Ele dá à alma para trazê-la à união consigo mesmo; a outra descreve o mesmo processo do ponto de vista do homem, mostrando as “atitudes” que uma alma fiel deve adotar nas diversas etapas da jornada espiritual. Deve ter sido particularmente agradável para o Padre Garrigou quando São João da Cruz, cuja ortodoxia já foi posta em dúvida por alguns escritores, foi declarado Doutor da Igreja pelo Papa Pio XI.


O outro grande tema da teologia ascética e mística de Reginald Garrigou-Lagrange foi a universalidade do chamado de Deus para a vida mística. Ele argumentou de forma convincente que, embora os fenômenos místicos mais dramáticos, como visões e locuções, sejam obviamente reservados a poucos, todos os batizados são convidados não apenas a uma vida de virtude, mas a uma vida de estreita união com Deus em oração. Esta união é, no sentido mais próprio da palavra, mística, uma vez que se baseia nos dons do Espírito Santo e na nossa participação na vida do próprio Deus através da graça santificante. Ele chegou ao ponto de dizer que a união transformadora descrita por santos como São João da Cruz e Santa Teresa de Ávila era simplesmente o pleno florescimento da graça do batismo. Ao mesmo tempo, os escritos do Padre Garrigou contêm advertências úteis contra o abuso desta doutrina, pois ele frequentemente salienta que qualquer suposto misticismo que não se baseie na prática das virtudes e na meditação em Cristo e na sua Paixão é uma ilusão.


A função de professor universitário trouxe naturalmente consigo a obrigação de orientar os doutorandos. Diz-se que Garrigou considerou que seu melhor aluno foi seu colega dominicano francês, Marie-Dominique Chenu. A carreira posterior de Chenu, no entanto, deve ter sido uma decepção para o seu mentor, pois ele se distanciou do tipo de tomismo tradicionalmente praticado na Ordem Dominicana em favor de uma abordagem muito mais “histórica” do assunto. O Padre Garrigou, no entanto, sempre esteve menos interessado nas questões históricas de quem influenciou quem, do que em descobrir onde estava a verdade em si. Também parece improvável que Garrigou tivesse ficado impressionado com o envolvimento de Chenu no “movimento dos sacerdotes operários”. Outro aluno de doutorado do Padre Garrigou, foi um jovem padre polonês chamado Karol Wojtyla, o futuro papa-eleito João Paulo II.


Reinado de Cristo

O desastre da guerra mundial em 1939 trouxe um sofrimento pessoal especial a Réginald Garrigou-Lagrange: o afastamento de Maritain. Quando a França caiu, o Padre Garrigou, tal como muitos franceses, continuou a reconhecer o marechal Pétain, o herói da Grande Guerra, como o legítimo chefe de Estado. Seguiu-se que Charles de Gaulle era um mero soldado rebelde tentando usurpar a autoridade. O Padre Garrigou não hesitou em declarar publicamente a conclusão lógica: objectivamente falando, apoiar De Gaulle era um pecado mortal. Mas Maritain era gaullista e fazia transmissões de rádio da América em favor dos franceses livres.


Este desacordo prático foi acompanhado por um desacordo teórico: Maritain passou a defender um modelo “pluralista” de sociedade, no qual aos adeptos de religiões diferentes ou de nenhuma teria sido concedida igual liberdade de expressão e de prática pública; um “senso de fraternidade humana” partilhado seria suficiente, argumentou ele, para criar uma sociedade basicamente justa. Garrigou-Lagrange considerou que Maritain estava comprometendo a doutrina social da Igreja com os seus escritos sobre este assunto, e também que estava excessivamente optimista sobre o estado espiritual daqueles que estavam fora da Igreja. Escreveu uma carta solene a Maritain pedindo-lhe que mudasse de rumo, mas Maritain, apesar da grande estima que tinha pelo Padre Garrigou como teólogo e como homem de oração, recusou-se a fazê-lo. A amizade entre os dois homens estava ferida e não poderia ser curada, ou não nesta vida.


Depois da guerra, o Padre Garrigou continuou a lecionar em Roma. Ao longo dos anos, as suas notas de aula transformaram-se num conjunto impressionante de livros, sendo os mais técnicos publicados em latim e os mais populares em francês. Em particular comentou a  Summa Theologiæ de Santo Tomás de Aquino, ocupando o seu lugar na linha dos grandes comentadores daquela obra, linha que remonta à Idade Média. O tempo todo ele estava consciente, como o Papa Pio XII, de como as tendências perigosas contra as quais ele havia lutado nos dias de São Pio X ainda estavam vivas na Igreja, ameaçando minar a integridade da doutrina. Um famoso artigo dele, intitulado 'Para onde a nova teologia está nos levando?' foi escrito logo após a Segunda Guerra Mundial. Contém este comentário perspicaz sobre os católicos que involuntariamente prejudicavam a causa católica: “Eles recorrem aos 'mestres do pensamento moderno' porque querem convertê-los à fé e acabam por ser convertidos por eles”.


Nenhum retrato de Réginald Garrigou-Lagrange estaria completo sem referência à sua vida religiosa. Pois se foi um professor de renome internacional (e um adversário temido), foi sobretudo um frade da Ordem dos Pregadores. Ele era conhecido, de fato, por sua fidelidade à vida normal. Embora as dispensas do ofício coral estivessem prontamente disponíveis na Ordem Dominicana para alguém com sua carga docente, o Padre Réginald estava habitualmente presente no coro. Ele teria feito eco de bom grado a observação feita por São João Bosco aos seus religiosos: “A liturgia é o nosso entretenimento”. Dizem-nos que ele era muito modesto em matéria de comida e bebida e que achava que fumar dificilmente era compatível com a pobreza religiosa. A sua 'cela' no Angelicum era a mais austera do priorado, sem ornamentação, e com uma cama que era, nas palavras de um contemporâneo, “uma cama e um colchão tão fino que era praticamente apenas um saco vazio”. Não que ele não sentisse atração pelas coisas dos sentidos – quando jovem, ele aprendeu a amar a música de Beethoven, um amor que permaneceu com ele por toda a vida. No entanto – como ele ensinou a gerações de estudantes romanos – o ascetismo é uma necessidade permanente nesta vida, tanto porque a nossa natureza decaída nos inclina ao pecado, como também porque temos de nos tornar capazes do bem infinito que é Deus.


O Padre Garrigou gostava de sublinhar que não há incompatibilidade entre as obras externas como o ensino, a pregação e os retiros e a vida monástica que aprendeu a viver no claustro. Seguindo um ditado de Santo Tomás, ele observava que a atividade externa de um frade deveria fluir “de uma abundância de contemplação”, especialmente da oração litúrgica, da oração mental e, sobretudo, do Santo Sacrifício da Missa. Ele sempre ficava preocupado quando alguém parecia dar mais importância à ação do que à contemplação, ou falava desta última como um mero meio para atingir um fim. Gostava de sublinhar que a contemplação é um fim em si mesma, um bem maior, de cuja plenitude brota a pregação. Para explicar esta ideia, ele usaria a analogia da Encarnação do Verbo e da redenção do homem. Desde toda a eternidade Deus quis a Encarnação, não como um meio subordinado à nossa redenção, mas como um bem maior, do qual a nossa redenção transbordaria, por assim dizer.


Em suma, o Padre Garrigou-Lagrange não foi apenas um mestre da teologia espiritual: viveu o que ensinou. Mas se a sua vocação residia principalmente nas chamadas “obras de misericórdia espirituais”, não esqueceu as corporais. No seu quarto guardava uma caixa com a inscrição 'Pour mes pauvres' ('Para os meus pobres'), e nela convidava os seus muitos visitantes a depositarem esmolas. Quando estava cheio, ele podia ser visto circulando pela cidade de Roma, distribuindo o conteúdo aos pobres.


Anos finais

O Padre Garrigou trabalhou em diversas funções para o Santo Ofício desde os tempos de Bento XV e, no final da década de 1950, o Papa-eleito João XXIII convidou-o a integrar a comissão teológica que preparava documentos para o Concílio Vaticano II. Mas a essa altura suas forças estavam falhando e ele teve que recusar. Ele deu sua última palestra no Angelicum pouco antes do Natal de 1959. Durante os cinco anos seguintes, Frei Réginald viveu em um sereno declínio de suas faculdades mentais. À medida que a sua mente e os seus olhos falhavam, este grande teólogo que outrora escreveu tão subtilmente sobre a potencialidade e o acto, sobre a graça suficiente e eficaz, sobre a vida interior de Deus e a glória do Céu, permaneceria na sua cela nua ou no priorado. igreja, rezando o seu Rosário e aguardando o seu próprio transitus . Ele morreu em 15 de fevereiro de 1964, festa de um dos maiores místicos dominicanos, o beato Henrique Suso.


Perguntas sem resposta são as mais fascinantes. O que teria dito Reginald Garrigou-Lagrange, o que teria feito, se tivesse vivido um pouco mais com as suas faculdades intactas? O que ele teria pensado do Concílio Vaticano II e da reforma litúrgica? Será que ele, tal como o seu confrade Roger-Thomas Calmel, se tornou um dos primeiros aliados do Arcebispo Lefebvre na luta para manter a ortodoxia? Ou será que ele, tal como o Cardeal Ottaviani, teria falado uma vez e depois resignado a si mesmo e à Igreja a Deus? Quem dirá? A misericordiosa Providência poupou-o de todos esses enigmas: ele havia lutado o bom combate por tempo suficiente e foi chamado para casa.


Que a última palavra seja dada a Jacques Maritain. Em 1937, Maritain registou no seu diário um desentendimento que teve com o Padre Garrigou por causa da Guerra Civil Espanhola. Anos mais tarde, quando Maritain publicou seus diários, ao trecho em questão foi anexada a seguinte nota: “Este grande teólogo, pouco versado nas coisas do mundo, tinha um coração admiravelmente cândido, que Deus finalmente purificou por um longo e muito doloroso tempo de provação física, uma cruz de aniquilação completa, que ele esperava e aceitou de antemão. Rezo a ele agora com os santos no céu."


Leitura sugerida

Gostaria de reconhecer a minha dívida neste artigo para com um livro recente de um dominicano americano, Padre Richard Peddicord, intitulado O Monstro Sagrado do Tomismo. Pelo que sei, é o único livro escrito expressamente sobre a vida e o legado do Padre Garrigou-Lagrange. É publicado pela St Augustine's Press.


Réginald Garrigou-Lagrange escreveu 28 livros e mais de 600 artigos. Sua obra mais conhecida de teologia mística é o estudo em dois volumes,  As Três Idades da Vida Interior. Esta é, na verdade, um resumo de sua pesquisa neste campo. Muitas pessoas, leigos, religiosos e sacerdotes, consideraram-no muito valioso. Recentemente foi reimpresso em inglês pela TAN Books.


Para os interessados ​​em apologética, De Revelatione  é uma obra-prima austera. Foi em grande parte traduzido para o inglês em 1926 por Thomas Walshe sob o título  The Principles of Catholic Apologetics.  Uma obra complementar, embora de conteúdo mais filosófico, é  God: His Existence and Nature, publicada originalmente por St Louis. A mesma editora produziu traduções (do latim) dos comentários do Padre Garrigou à  Summa Theologiæ  de Santo Tomás.


A TAN Books também reimprimiu várias outras obras mais "populares" de Garrigou-Lagrange, incluindo A Mãe de nosso SalvadorVida Eterna. Estes estão cheios de doutrina sólida, ao mesmo tempo que são adequados para uso devocional.

Por fim, há uma obra chamada  The Last Writings of Réginald Garrigou-Lagrange, publicada em 1969 pela New City Press. Contém palestras de retiro proferidas pelo Padre Reginald em seus últimos anos.

Commenti


bottom of page